Déficit fiscal piora muito e BC espera não precisar de novo corte nos juros

No fim de julho, o déficit do governo central havia sido estimado em R$ 787,4 bilhões, ou 11% do PIB. Somente com o auxílio emergencial neste ano, o governo estimou um custo total de R$ 321,8 bilhões, contra R$ 254,2 bilhões antes. Para o setor público, a conta foi a agora a um déficit primário de R$ 891,1 bilhões, ou 12,4% do PIB, ante R$ 812,2 bilhões (11,3% do PIB) na projeção anterior.

Continue lendo

Setor de serviços permanece no fundo do poço, mas crê em dias melhores

De acordo com o levantamento do IHS Markit, as empresas fornecedoras de serviços continuaram a relatar pressão sobre a atividade da pandemia de coronavírus, com algumas unidades sendo fechadas devido a níveis baixos de entrada de novos negócios. Ainda assim, houve indicações de melhora na demanda, e os níveis de novos trabalhos aumentaram pela primeira vez em seis meses.

Continue lendo

Dois terços das famílias brasileiras têm dívidas em aberto

De acordo com a CNC, embora estejam mais endividadas, as famílias reduziram a parcela média da renda comprometida com dívidas em agosto. Entre as famílias endividadas, 21,4% afirmaram ter mais da metade da renda mensal comprometida com o pagamento destas dívidas, a terceira queda consecutiva depois de ter atingido 22,4% em abril deste ano, no início da pandemia.

Continue lendo

Nota de R$ 200 com efígie do lobo-guará começa a circular, em todo o país

O lobo-guará foi escolhido em pesquisa realizada pelo BC em 2001 para eleger quais espécies da fauna brasileira deveriam ser estampadas nas cédulas do país. De acordo com o Banco Central, o lançamento da nova nota é uma forma de a instituição agir preventivamente para a possibilidade de aumento da demanda da população por papel moeda, nos próximos anos.

Continue lendo

Presidente do BC diz que autoridade intervém no dólar sempre que precisar

Ao participar virtualmente de evento promovido pela rede de TV Bloomberg, ele lembrou que, em algum momento no caminho do dólar para o patamar de R$ 6, houve a avaliação interna de que o câmbio estava descolado. O Banco Central (BC) iria intervir mais pesadamente e se preparou para tanto, mas a moeda norte-americana começou a se estabilizar e voltar em direção aos R$ 5.

Continue lendo

Commodities agrícolas levam Brasil à condição de potência global

As máximas históricas nominais não consideram a inflação, mas alguns produtos efetivamente estão nos maiores níveis de preços, já levando em conta valores deflacionados, como é o caso do boi, bezerro, suíno, arroz e leite, conforme levantamentos do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/Universidade de São Paulo (USP).

Continue lendo

Previsão de analistas se distancia dos cálculos do FMI

Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, a mesma previsão há 14 semanas consecutivas. Em 2022 e 2023, o mercado financeiro continua a projetar expansão de 2,50% do Produto Interno Bruto (PIB). As instituições financeiras consultadas pelo BC ajustaram a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo em 1,71% para 1,77%, neste ano. 

Continue lendo

Indicador do comércio cresce, mas longe ainda de perdas anteriores

Segundo o Serasa, o segmento de”Tecidos, Vestuários, Calçados e Acessórios” foi o que mais cresceu junho, com expansão de 16%, seguido pelo “Supermercados, Hipermercados, Alimentos e Bebidas Móveis”, que se expandiu 4,6%. Já os setores que registraram pior resultado foram os de “Combustíveis e Lubrificantes”, com queda de 1,6%, e “Materiais de Construção”, com recuo de 0,7%.

Continue lendo