O afeto em tempo de cólera

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 11 de dezembro de 2018 as 09:03, por: CdB

Parece um tsunami obscurantista, que envolve toda a sociedade em suas entranhas. E muda o modo de sentir, de reagir e se expressar das pessoas.

Por Luciano Siqueira – de São Paulo

A sociedade brasileira, embora dividida no pleito presidencial último, em sua maioria deu vitória ao detentor das ideias mais retrógradas, temperadas com o ódio e o preconceito.

A luta coletiva não apaga nem reduz a individualidade

Um subproduto do novo ambiente social criado é a desconfiança.

Tanto quanto a intolerância diante de opiniões divergentes, entre os do mesmo lado,  digamos assim, um gás venenoso parece contaminar senão a todos, a uma maioria. Desconfia-se da palavra, da atitude, do sentimento.

Uma palavra qualquer, retirada do contexto em que foi pronunciada ou escrita, logo vira motivo de discórdia. E de desconfiança.

O disse-me-disse, tão presente em nossa cultura, ganha status de informação verdadeira. Influencia.

Nessa onda de insensatez, a desconfiança contamina as relações humanas em todas as suas dimensões.

Mas há um antídoto eficaz: a resistência à nova ordem regressiva.

A luta coletiva não apaga nem reduz a individualidade, antes a eleva: cada um se encontra e se reconhece a si mesmo na reunião de muitos e se vê compelido a cultuar os valores civilizatórios mais caros. Convergência alimenta confiança.

Quem resiste movido por um ideal maior tem olhos para enxergar e sensibilidade para vivenciar a sinceridade, a troca, a solidariedade, a confiança mútua.

Resistir é preciso, pelo Brasil e pelo afeto, esse revolucionário sentimento que dignifica a condição humana.

Luciano Siqueira, é médico, vice-prefeito do Recife, membro do Comitê Central do PCdoB.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *