Alcolumbre vai na linha de Maia e esfria discussão no Congresso

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 12 de novembro de 2019 as 13:38, por: CdB

De acordo com o parlamentar, é necessário ouvir os vários implicados com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Questionado se era favorável à medida, retrucou que o Congresso poderia fazer, no lugar, uma nova Constituinte.

 

Por Redação – de Brasília

 

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) se disse a favor, nesta terça-feira, que a proposta para alterar a Constituição abrindo a possibilidade para a prisão após condenação em segunda instância somente seja pautada se houver a concordância da maioria. O senador segue na linha do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que recomenda cautela com o tema.

David Alcolumbre avalia que a PEC sobre a prisão em segunda instância precisaria ser votada por um Congresso Constituinte
David Alcolumbre avalia que a PEC sobre a prisão em segunda instância precisaria ser votada por um Congresso Constituinte

De acordo com o parlamentar, é necessário ouvir os vários implicados com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Questionado se era favorável à medida, retrucou que o Congresso poderia fazer, no lugar, uma nova Constituinte.

— Vamos conversar com os líderes, tirar um entendimento comum dos parlamentares. E a gente tem que entender que todas as matérias são importantes para o país, a gente não pode priorizar uma matéria em detrimento de outra matéria. A gente vai conversar de todos os assuntos que estão em tramitação, mas a gente só vai pautar aquilo que tiver a conciliação da maioria — disse.

Promulgação

Alcolumbre defende a construção de um acordo sobre a PEC que trata da prisão em segunda instância.

— A gente podia fazer uma nova Constituinte. Todo mundo renunciava os mandatos e a gente fazia logo uma Constituinte — respondeu, quando perguntado se era favorável à PEC.

As declarações de Alcolumbre ocorreram pouco antes de sessão solene para a promulgação da reforma da Previdência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *