Alemanha: queda nas exportações reforça alerta de recessão

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 10 de outubro de 2019 as 10:34, por: CdB

A Agência Federal de Estatística alemão disse que as exportações com ajuste sazonal caíram 1,8% no mês, enquanto as importações aumentaram 0,5%.

Por Redação, com Reuters – de Berlim

As exportações alemãs caíram mais do que o esperado em agosto, mostraram dados nesta quinta-feira, reforçando as expectativas de que a queda na manufatura está levando a maior economia da Europa à recessão.

Indústrias alemãs estão sofrendo com a desaceleração da economia mundial e com as incertezas ligadas à disputa comercial entre os EUA e a China
Indústrias alemãs estão sofrendo com a desaceleração da economia mundial e com as incertezas ligadas à disputa comercial entre os EUA e a China

Dependentes das exportações, as indústrias alemãs estão sofrendo com a desaceleração da economia mundial e com as incertezas ligadas à disputa comercial entre os Estados Unidos e a China, além da saída planejada, mas atrasada, do Reino Unido da União Europeia.

A Agência Federal de Estatística alemão disse que as exportações com ajuste sazonal caíram 1,8% no mês, enquanto as importações aumentaram 0,5%. O superávit comercial recuou para 18,1 bilhões de euros depois de leitura revisada para cima de 20,5 bilhões de euros no mês anterior.

Pesquisa da agência de notícias britânica Reuters com economistas projetava queda de 1,0% nas exportações e de 0,2% nas importações. Esperava-se que o superávit comercial registrasse 19,1 bilhões de euros.

As encomendas à indústria da Alemanha caíram mais do que o esperado em agosto devido à demanda doméstica mais fraca, mostraram dados divulgados nesta segunda-feira, ampliando os sinais de que as perdas na indústria estão levando a maior economia da Europa à recessão.

O contratos para produtos fabricados na Alemanha caíram 0,6% em agosto sobre o mês anterior, contra expectativa de queda de 0,3%. A demanda por bens de capital recuou 1,6%, informou o Ministério da Economia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *