Andrea Bocelli, sozinho na Catedral de Milão, comemora a Páscoa com os italianos

Arquivado em: Cultura, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado domingo, 12 de abril de 2020 as 18:35, por: CdB

O astro italiano foi convidado pela administração do Duomo e pela Prefeitura de Milão, com o objetivo de passar uma mensagem de amor e esperançapara seu país e para o restante do mundo.

Por Redação, com Ansa – de Milão

Com os italianos isolados em casa por causa da mais grave pandemia em um século, o tenor Andrea Bocelli fez neste domingo uma histórica apresentação na Catedral de Milão e levou um pouco de arte para uma Páscoa marcada pela tristeza do distanciamento.

Bocelli canta à capela, na Catedral de Milão, durante o domingo de Páscoa
Bocelli canta à capela, na Catedral de Milão, durante o domingo de Páscoa

O astro italiano foi convidado pela administração do Duomo e pela Prefeitura de Milão, com o objetivo de passar uma mensagem de amor e esperança para seu país e para o restante do mundo.

O repertório sacro escolhido por Bocelli incluiu os hinos “Panis Angelicus”, “Ave Maria”, “Sancta Maria” e “Domine Deus” e encheu de emoção os ambientes vazios da monumental catedral gótica da capital da Lombardia, a região mais atingida pela pandemia na Itália.

Duomo

O tenor ainda encerrou a apresentação com uma versão de “Amazing Grace”, de John Newton, em uma Piazza del Duomo completamente vazia, enquanto a transmissão mostrava outras cidades do mundo sem pessoas nas ruas por causa do coronavírus.

Ainda antes do espetáculo, Bocelli, que é católico, disse à ANSA que o evento não seria um concerto, mas sim uma “ocasião para rezar juntos por meio da música”.

Música

– Aceitei sem um instante de hesitação. Aliás, agradeço a Milão e ao Duomo pelo convite para essa extraordinária ocasião. O canto pode ser uma forma de oração, e esse é meu objetivo –, afirmou.

Segundo o tenor, os artistas carregam a “honra de uma grande responsabilidade”, principalmente “nos momentos mais delicados e de maior incerteza”.

– A música continua sendo um instrumento privilegiado, é uma linguagem universal – declarou.

Acostumado a públicos multitudinários, Bocelli foi acompanhado apenas pelo organista da Catedral de Milão, Emanuele Vianelli. Agora, em meio ao distanciamento social, o tenor continua estudando e treinando a voz para estar pronto para o retorno. “Assim que for possível”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *