Associação de futebol da Alemanha rejeita acusações de racismo feitas por Ozil

Arquivado em: Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 23 de julho de 2018 as 14:01, por: CdB

Ozil, que joga no time inglês Arsenal, disse que o presidente da DFB, Reinhard Grindel, o culpou pelo mau desempenho da seleção na Copa do Mundo deste ano

Por Redação, com Reuters – de Berlim/Milão:

A Associação de Futebol da Alemanha (DFB) rejeitou nesta segunda-feira as acusações de racismo que recebeu do meio-campista Mesut Ozil, que disse no domingo que não jogará mais pela seleção porque enfrentou “racismo e desrespeito” devido às suas raízes turcas.

Meia alemão Mesut Ozil, antes do jogo contra a Suécia na Copa do Mundo da Rússia

– Rejeitamos enfaticamente que a DFB seja ligada ao racismo – disse a entidade em um comunicado. “A DFB está muito envolvida no trabalho de integração na Alemanha há muitos anos.”

Ozil, que joga no time inglês Arsenal, disse que o presidente da DFB, Reinhard Grindel, o culpou pelo mau desempenho da seleção na Copa do Mundo deste ano, considerando-o um alemão quando o time vencia e um imigrante quando perdia.

Milan poderá competir na Liga Europa

O Tribunal Arbitral do Esporte reverteu na sexta-feira uma decisão da Uefa de banir o Milan da próxima temporada da Liga Europa, dizendo que as finanças do time italiano melhoraram depois de uma troca de proprietário recente.

No mês passado, a entidade reguladora do futebol europeu disse que o Milan não cumpria uma exigência de equilíbrio de renda e despesa de seus regulamentos de Fair Play Financeiro, acrescentando que o clube não apresentou provas suficientes de sua estabilidade financeira.

Desde então o fundo de cobertura norte-americano Elliott Management assumiu o controle do time endividado do empresário chinês Li Yonghong e prometeu injetar 58,5 milhões de dólares para ajudar a estabilizar suas finanças.

Li comprou o clube da liga italiana do ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi no ano passado com ajuda da Elliott, mas depois não ressarciu o fundo.

Em um comunicado, a corte disse que a Uefa não foi capaz de levar em conta alguns elementos importantes à época de sua decisão, “em particular que a situação financeira do clube está melhor agora, depois da mudança recente de proprietário”.

O tribunal devolveu o caso à Uefa para que esta “emita uma nova medida disciplinar proporcional com base na situação financeira atual do clube”.

Pelos regulamentos da Uefa, qualquer time que gasta mais do que arrecada pode enfrentar sanções, inclusive, em certas circunstâncias, a proibição de participar de competições administradas pela entidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *