Ativista de direitos humanos reúne-se na casa de Mark Zuckerberg

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 5 de novembro de 2019 as 12:29, por: CdB

O Facebook afirmou em comunicado que está satisfeito que líderes defensores dos direitos civis discutiram o assunto durante jantar com Zuckerberg e Sandberg.

Por Redação, com Reuters – de São Francisco/Madri

O ativista de direitos humanos norte-americano reverendo Al Sharpton afirmou que teve uma reunião como Mark Zuckerberg na casa do presidente do Facebook na segunda-feira para discutir com ele a decisão da rede social em não checar fatos em propagandas políticas.

Presidente do Facebook, Mark Zuckerberg
Presidente do Facebook, Mark Zuckerberg

A reunião que Sharpton disse que durou quase duas horas na casa de Zuckerberg em Palo Alto e incluiu vários ativistas e a vice-presidente de operações do Facebook, Sheryl Sandberg.

– Falamos a ele que sentimos que a não checagem de fatos de políticos pode ser usada para prejudicar o voto e transmitir mensagens erradas – disse Sharpton à agência inglesa de notícias Reuters. “Ele ouviu”, disse Sharpton. “Ele não fez nenhum compromisso firme para mudança, mas pareceu estar aberto”, acrescentou.

Antes da eleição presidencial de novembro de 2020 nos Estados Unidos, as políticas do Facebook são criticadas por candidatos democratas e são alvo de reclamações por alguns dos funcionários da rede social, que escreveram uma carta interna.

Enquanto isso, o Twitter anunciou na semana passada decisão de barrar toda propaganda política.

Líderes

O Facebook afirmou em comunicado que está satisfeito que líderes defensores dos direitos civis discutiram o assunto durante jantar com Zuckerberg e Sandberg.

“Eles discutiram uma série de questões importantes e vamos continuar conversando sobre isso”, afirmou a empresa em declaração sobre o encontro.

Durante teleconferência sobre os resultados do Facebook na semana passada, Zuckerberg defendeu a política da empresa, afirmando que ele não quer sufocar o discurso político. O executivo também estimou que os anúncios de políticos representarão menos de 0,5 % da receita da companhia em 2020.

Sharpton, que enviou uma carta a Zuckerberg pedindo a reunião, afirmou que vai fazer o mesmo com o Google. Ele disse que também quer conversar com o presidente-executivo do Twitter, Jack Dorsey.

Críticos da política publicitária do Facebook contrataram anúncios propositadamente falsos para chamar a atenção para o assunto. Os anúncios incluíram mensagem da campanha da senadora Elizabeth Warren que afirma que Zuckerberg apoiou o presidente norte-americano Donald Trump. Já um anúncio em vídeo de viés de esquerda afirmou que a senadora republicana Lindsey Graham apoiou o conjunto de propostas de combate às mudanças climáticas conhecido como Green New Deal.

Ataque eletrônico

Um ataque cibernético atingiu empresas espanholas, incluindo a rádio Cadena SER, informou o Departamento de Segurança Nacional da Espanha na segunda-feira.

O vírus afetou as transmissões locais da Cadena Ser, embora a transmissão nacional não tenha sido afetada, disse a emissora que possui uma rede de estações pelo país.

“Fomos recomendados para não trabalhar em nossos computadores em um ambiente conectado”, disse uma fonte da estação à Reuters.

O Departamento de Segurança Nacional não identificou outras vítimas do que disse serem ataques de ransomware contra várias empresas.

Esse ataque normalmente bloqueia um sistema de computador infectado até que o pagamento, geralmente na forma de criptomoeda, seja enviado ao hacker.

O veículo de mídia Xataka, o portal de notícias online El Confidencial e o jornal El Mundo disseram que a empresa espanhola de dados Everis também foi afetada e enviou seus funcionários para casa com instruções para desligar os dispositivos. Uma porta-voz da Everis se recusou a comentar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *