Bélgica irá processar Google por não desfocar imagens de áreas de defesa

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 28 de setembro de 2018 as 11:09, por: CdB

O Google cumpriu solicitações semelhantes de outros governos devido à preocupação sobre eventual comprometimento da segurança.    

Por Redação, com Reuters – de Bruxelas/Londres

O Ministério da Defesa da Bélgica vai processar o Google por não cumprir seus pedidos para desfocar imagens de satélites de áreas militares sensíveis, disse uma porta-voz do ministério na sexta-feira.

Bélgica processará Google por não desfocar imagens de áreas de defesa

Citando a segurança nacional, o ministério disse ter solicitado que áreas como bases aéreas e usinas nucleares sejam desfocadas no serviço de mapeamento por satélite do Google.

– O Ministério da Defesa processará o Google – disse a porta-voz, sem dar mais detalhes.

O Google cumpriu solicitações semelhantes de outros governos devido à preocupação sobre eventual comprometimento da segurança.

O Google, uma unidade da Alphabet Inc, não respondeu imediatamente às solicitações de comentários.

Empresas de telecomunicações e serviços financeiros

Empresas de telecomunicações e serviços financeiros enfrentam uma investigação por parte do regulador de concorrência britânico, depois que a Citizens Advice, órgão de defesa do consumidor, reclamou que os clientes que não trocam de prestadores estavam sendo “roubados”.

 Esses clientes estavam sendo cobrados em 4,1 bilhões de libras esterlinas (US$ 5,2 bilhões) a mais por ano, disse nesta sexta-feira a Citizens Advice, pedindo à Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA, na sigla em inglês) para resolver a questão.

– A prática de sobrecarregar os clientes fiéis é generalizada e o Citizens Advice advertiu repetidamente que os consumidores fiéis estão sendo roubados – disse o presidente-executivo Gillian Guy.

A Citizens Advice apresentou uma suposta reclamação, que o governo define como “qualquer recurso, ou combinação de características” de um mercado de bens ou serviços que “parece prejudicar significativamente os interesses dos consumidores”.

A CMA disse que consideraria as preocupações levantadas e o que deveria ser feito sobre elas. Isso incluirá o envolvimento com reguladores relevantes, como a Financial Conduct Authority (FCA, na sigla em inglês) e a Ofcom. Ele publicará uma resposta dentro de 90 dias.

O regulador da concorrência disse que os possíveis resultados incluem recomendações para mudar a legislação, ação de reguladores setoriais e ação de concorrência ou de defesa do consumidor.

A Citizens Advice disse que sua pesquisa descobriu que oito entre dez pessoas estavam pagando um preço significativamente mais alto, em pelo menos um dos mercados, por permanecer com seu fornecedor existente.

– Como resultado desta super-queixa, a CMA deveria propor medidas concretas para acabar com este esquema sistemático – disse Guy.

Questões importantes

A FCA disse estar preocupada há algum tempo com a questão de clientes de longa data serem mais cobrados por alguns produtos do que os novos.

O órgão de fiscalização financeira disse que lançaria um estudo de mercado sobre como as seguradoras cobram de seus clientes pelos seguros residencial e automotivo.

– A Citizens Advice levantou uma série de questões importantes e trabalharemos de perto com a CMA enquanto investigam essa super-reclamação – disse o presidente-executivo da FCA, Andrew Bailey.

A FCA disse que já estava olhando no mercado de poupança e hipotecas.

O UK Finance, que representa os bancos, disse que a indústria já fez mudanças para melhorar a concorrência no mercado de hipotecas e poupança, inclusive ajudando mutuários de longa data a mudarem para um acordo melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *