Bolsonaro fará teleconferência sobre Amazônia e ironiza Macron

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 3 de setembro de 2019 as 13:17, por: CdB

A reunião foi uma das medidas anunciadas pelo governo na esteira da crise internacional causada pelo aumento das queimadas na Amazônia neste ano.

Por Redação, com Reuters – de Brasília:

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira que vai aproveitar uma teleconferência sobre a floresta amazônica na sexta-feira para agradecer ao presidente da França, Emmanuel Macron, por ter ajudado o povo brasileiro a conhecer a Amazônia e suas riquezas, ironizando declarações do líder francês, com quem travou um embate sobre o meio ambiente.

Jair Bolsonaro voltou a ironizar Macron e disse que agradecerá o líder francês por ter feito com que o povo brasileiro conhecesse a Amazônia que não conhecia, suas riquezas

Bolsonaro participaria na sexta-feira de uma reunião de países da região amazônica na cidade colombiana de Letícia, na fronteira com o Amazonas, para discutir as recentes queimadas registradas na região. No entanto, o presidente afirmou que o encontro foi cancelado e transformado em uma conferência à distância.

– A decisão que eu tive ontem é que eles querem fazer por teleconferência. A reunião… eles acharam que é melhor fazer por videoconferência – disse Bolsonaro a jornalistas na saída do Palácio da Alvorada.

O porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, havia dito na véspera que o governo brasileiro tinha iniciado contatos com os demais países da região amazônica para tentar adiar a reunião de Letícia, depois que Bolsonaro foi informado por sua equipe médica de que terá que iniciar na sexta uma dieta líquida em preparação para a cirurgia que fará no domingo.

A reunião foi uma das medidas anunciadas pelo governo na esteira da crise internacional causada pelo aumento das queimadas na Amazônia neste ano.

Bolsonaro disse que vai aproveitar a conferência à distância para falar com Macron, que criticou a postura do governo brasileiro na preservação da Amazônia durante cúpula do G7 no mês passado, provocando uma reação do presidente brasileiro.

– Muito importante vai ser essa teleconferência na sexta-feira, porque agradecer ao Macron, meu amigo Macron, porque ele fez com que o povo brasileiro conhecesse a Amazônia que não conhecia, suas riquezas – disse Bolsonaro, em tom de ironia.

Bolsonaro exigiu na semana passada desculpas de Macron por tê-lo chamado de mentiroso e por ter relativizado a soberania brasileira na Amazônia, segundo o presidente brasileiro. Bolsonaro inclusive afirmou que só aceitaria uma ajuda de US$ 20 milhões para a Amazônia anunciada pelo presidente francês na cúpula do G7 se Macron se retratasse. Depois, Bolsonaro chamou a oferta de “esmola”.

O presidente também voltou a defender nesta terça-feira o desenvolvimento econômico da região.

– A nossa Amazônia é a maior do que a de outros países. Temos lá riquezas incalculáveis. Se soubermos explorar essas riquezas de forma racional e agregando valor, é um tremendo de um impulso na nossa economia – disse.

Bolsonaro na ONU

Bolsonaro afirmou na segunda-feira que vai discursar na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), mesmo que tenha que ir de cadeira de rodas ou de maca, para falar sobre a floresta amazônica, depois da grande repercussão internacional em consequência da elevação de queimadas na região.

Bolsonaro deve passar por uma cirurgia no dia 8 de setembro para tratar uma hérnia relacionada a cirurgias anteriores, às quais foi submetido depois de ter sofrido um ataque a faca durante a campanha eleitoral no ano passado. O primeiro dia de debates de alto nível da Assembleia Geral da ONU, que tem o presidente do Brasil como primeiro chefe de Estado a discursar, acontece em 25 de setembro, pouco mais de duas semanas após Bolsonaro a data prevista para a operação.

– Eu vou comparecer à ONU nem que seja de cadeira de rodas, de maca. Eu vou comparecer, porque eu quero falar sobre a Amazônia, mostrar para o mundo com bastante conhecimento, com patriotismo, falar sobre essa área ignorada por tantos governos que me antecederam – disse Bolsonaro em entrevista ao sair do Palácio da Alvorada nesta segunda-feira.

– Uma chance que eu tenho de falar para o mundo sobre a nossa Amazônia. Eu vou deixar essa oportunidade? – acrescentou.

Bolsonaro também voltou a descrever como “esmola” as ofertas de ajuda financeira de países estrangeiros para a Amazônia. Na semana passada, o presidente já havia chamado de esmola uma ajuda de US$ 20 milhões para a Amazônia anunciada pelo presidente francês, Emmanuel Macron, na cúpula do G7.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *