Bolsonaro fustiga governadores e os ameaça com um novo Projeto de Lei

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020 as 16:07, por: CdB

O presidente voltou a dizer que zeraria os impostos federais sobre os combustíveis se os governadores fizessem o mesmo com o ICMS, como propôs, na manhã passada. Bolsonaro reclamou que mesmo com as reduções de preço nas refinarias, o preço na bomba não baixa, e por isso a Petrobras nem deveria mais reduzir seus preços.

 

Por Redação – de Brasília

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que o projeto de lei sobre a mudança na cobrança do ICMS sobre combustíveis está pronto e que irá enviá-lo ao Congresso, mesmo com as reclamações dos governadores.

À jornalistas Bolsonaro disse que os funcionários sabiam das demissões e que elas foram feitas “para exatamente evitar problemas” Foto: Mateus Bonomi/AGIF
À jornalistas, Bolsonaro disse que poderá zerar os impostos federais nos combustíveis, o que geraria um rombo bilionário nas contas públicas

— Está pronto com o Bento (Albuquerque, ministro das Minas e Energia). Ele tem uma reunião dia 7, com gente do setor. O que eu falei para ele (Bento): nós sabemos que vai ter uma reação enorme dos governadores. Se o projeto vai para frente ou não, eu faço o que posso. Vai ter pressão lá, o Parlamento existe para dizer sim ou não. Alguns parlamentares estão preocupados com desgaste — disse o presidente na saída do Palácio da Alvorada.

Refinarias

O presidente voltou a dizer que zeraria os impostos federais sobre os combustíveis se os governadores fizessem o mesmo com o ICMS, como propôs, na manhã passada. Bolsonaro reclamou que mesmo com as reduções de preço nas refinarias, o preço na bomba não baixa, e por isso a Petrobras nem deveria mais reduzir seus preços. Bolsonaro afirmou que, embora os Estados estejam em situação financeira ruim, a população sofre mais ao pagar caro pelos combustíveis.

— Eu sei que os Estados estão em seriíssimas dificuldades, mas mais dificuldade que os Estados é o povo, que não aguenta mais pagar R$ 5,50 na gasolina, o caminhoneiro pagar R$ 4,10 no litro do óleo diesel. Parece que diminuiu de novo hoje o preço na refinaria, não tenho certeza ainda. Mas se diminuiu, com todo o respeito, não pode diminuir mais, porque não chega no consumidor — afirmou Bolsonaro.

Bolsonaro, entretanto, garantiu que não interfere na política de preços da Petrobras e disse que não vai telefonar para o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, para discutir o assunto.
Na quarta-feira, a Petrobras anunciou que reduzirá o preço médio da gasolina nas refinarias em 4,3% e em 4,4% do diesel, a quarta redução neste ano.

— Quanto vai baixar na bomba para o consumidor? Zero. Então eu estou fazendo aqui um papel de otário. Se bem que eu não interfiro na Petrobras. Eu não vou ligar para o Castelo Branco (presidente da Petroras) e ‘ó, não baixa mais’. Eu não interfiro na Petrobras — disse.

‘Imbrochável’

Bolsonaro voltou a antagonizar os governadores. Acusado de populismo pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), por ter feito o desafio aos governadores, Bolsonaro disse que não era populismo, mas “vergonha na cara”.

— Chega desse povo sofrer. Isso não é demagogia. Dois governadores que estão me criticando, isso não é populismo, é vergonha na cara. Ou você acha que o povo está numa boa? Está todo mundo feliz da vida com o preço do gás, com o preço da gasolina, com o preço do transporte? — respondeu.

Bolsonaro acusou Doria e o governador do Rio de Janeiro, Wilzon Witzel (PSC) —que o responderam publicamente— de estarem preocupados com as eleições de 2022, mas garantiu que não está preocupado com reeleição, apesar de já ter indicado várias vezes que buscará mais um mandato.

— Não estou preocupado com reeleição. Podem continuar escrevendo. Não vou brochar para atender vocês pensando em reeleição. Eu sou imbrochável — disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *