Bolsonaro minimiza devastação da Amazônia e impacta os investidores

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços
Publicado quarta-feira, 20 de novembro de 2019 as 15:36, por: CdB

Dados revelados pelo Programa de Cálculo Desflorestamento na Amazônia (Prodes), o sistema de monitoramento por satélites operado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), revelaram que, ao todo, o bioma perdeu uma área de 9.762 km² (equivalente a sete cidades do Rio de Janeiro).

 

Por Redação – de Brasília

 

Na sua tentativa de minimizar os dados mais recentes sobre o desmatamento da Amazônia, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) complica a posição do país, frente aos investidores dos fundos internacionais. Sob a gestão de Bolsonaro, houve um recorde de destruição entre agosto de 2018 e julho de 2019, o que ele afirma ser uma questão “cultural”.

A proposta do governo deve reduzir o número de cargos intermediários e mudar a estabilidade de novos concursados para o serviço público
A governo do presidente Bolsonaro tenta minimizar a devastação do maior bioma natural do mundo

— Você não vai acabar com o desmatamento nem com as queimadas. É cultural — afirmou o presidente nesta quarta-feira ao ser questionado sobre o tema quando deixava o Palácio do Planalto.

Dados revelados pelo Programa de Cálculo Desflorestamento na Amazônia (Prodes), o sistema de monitoramento por satélites operado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), revelaram que, ao todo, o bioma perdeu uma área de 9.762 km² (equivalente a sete cidades do Rio de Janeiro). É a maior taxa de desmatamento registrada desde 2008.

Desmatamento

Esse aumento percentual de 29,5% também foi o terceiro maior da história, ficando atrás apenas das altas de 1995 (95%) e 1998 (31%). O período avaliado inclui sete meses do governo Bolsonaro.

Na terça-feira, ao ser perguntado também sobre o desmatamento recorde, o presidente se esquivou de comentar sobre o tema. Ele questionou se as mesmas perguntas seriam feitas para Marina Silva, quando ela era ministra do Meio Ambiente no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, época em que, segundo Bolsonaro, também houve um recorde de desmatamento.

— Não pergunta pra mim não. Não pergunta não, (o ministro do Meio Ambiente) Ricardo Salles está aí, conversa com ele — disse Bolsonaro em uma cerimônia em homenagem ao Dia da Bandeira. Marina Silva esteve à frente do Ministério entre janeiro de 2003 e maio de 2008, quando foi substituída por Carlos Minc.

Tendência

Na segunda feira, após o diretor interino do Inpe, Darcton Policarpo Damião, anunciar os números mais recentes sobre o desmatamento, Salles tentou minimizar o conteúdo dos dados.

— O número está seguindo uma tendência de aumento desde 2012 — afirmou.

A taxa, porém, ficou pelo menos 1,5 mil km² acima da tendência de aumento do da devastação que vinha sendo registrada desde 2012. Segundo o Inpe, se o desmatamento continuasse na mesma tendência dos últimos anos, a área destruída teria sido de 8.278 km².

Questionado sobre os motivos que impulsionaram a alta da destruição na Amazônia, Salles afirmou que “não é verdade” que o discurso de governo de Jair Bolsonaro tenha incentivado o desmatamento na região.

1 thought on “Bolsonaro minimiza devastação da Amazônia e impacta os investidores

  1. Ricardo Sales: quem teria sido os resposáveis pelas queimadas e desmatamentos na Amazônas, você e o Bozo nada sabem a esse respeito mais mundo todo sabe o que está acontecento e quem são os predadores da floresta, certamente este desgoverno em algum momento vai ter que tomar providências com os fatos narrados acima.

Deixe uma resposta para luiz paiva sousa Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *