Bombeiros seguem atuando no combate a incêndios florestais na Região Serrana

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 15 de setembro de 2020 as 14:38, por: CdB

Há 10 dias, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) atua, de forma ininterrupta, em diversos novos focos de incêndios florestais que atingem a Região Serrana.

Por Redação, com ACS – do Rio de Janeiro

Há 10 dias, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) atua, de forma ininterrupta, em diversos novos focos de incêndios florestais que atingem a Região Serrana. Na segunda-feira, aproximadamente 70 militares estão empenhados em ocorrências nos municípios de Petrópolis (Secretário, Posse, Vale do Carangola, Itaipava, Sítio Bonança), Teresópolis (Três Quedas, Rancho G/Bonsucesso), Nova Friburgo (Parada Folly/Amparo, Chácara Paraíso, Jardim do Nego) e Cachoeiras de Macacu (Boa Vista). A operação conta com o apoio de duas aeronaves da corporação.

Operação Extinctus: Bombeiros seguem atuando no combate a incêndios florestais na Região Serrana
Operação Extinctus: Bombeiros seguem atuando no combate a incêndios florestais na Região Serrana

Desde o início do período de estiagem, o CBMERJ reforçou as missões de prevenção e combate a queimadas na Serra. A Operação Extinctus, que reúne esforços de 15 unidades operacionais, atuou em mais de 900 ocorrências. Cerca de 700 militares já foram empenhados nas frentes de trabalho.

Monitoramento

A partir de julho, um helicóptero da corporação passou a ficar baseado na região para sobrevoos diários de monitoramento ambiental com o objetivo de identificar eventuais focos e evitar a propagação das chamas. O recurso aéreo também é utilizado para agilizar o transporte da tropa e de materiais, quando necessário, e para atuação direta em pontos de difícil acesso. Já foram somadas mais de 250 horas de voo.

–  Os incêndios florestais são mais comuns neste período do ano e costumam acontecer simultaneamente em localidades distintas, o que exige planejamento, coordenação e concentração de recursos operacionais. Não estamos medindo esforços para dar celeridade às frentes de trabalho de forma a minimizar os danos ambientais. Aproveito para reforçar que a queimada de hoje é o deslizamento de amanhã, assim como o assoreamento dos rios – afirma o secretário de Estado de Defesa Civil e comandante-geral do CBMERJ, coronel Roberto Robadey Jr.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *