Brasil cai em ranking de facilidades para fazer negócios

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 24 de outubro de 2019 as 11:29, por: CdB

Secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos da Costa disse que já foi pedido ao Banco Mundial uma revisão em relação a um critério específico.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

O Brasil recuou para a 124ª posição no ranking do Doing Business do Banco Mundial, depois de ter ocupado o 109º lugar na lista do ano passado, apesar de ter registrado uma ligeira melhora em sua nota geral, conforme relatório divulgado pelo Banco Mundial.

Brasil caiu do 109º lugar para o 124ª posição no ranking do Doing Business  do Banco Mundial
Brasil caiu do 109º lugar para o 124ª posição no ranking do Doing Business do Banco Mundial

No Fórum Econômico Mundial deste ano, em Davos, o presidente Jair Bolsonaro disse ter como meta levar o país para o grupo dos 50 primeiros colocados até o fim de 2022.

– O resultado não foi nada bom para o Brasil. Uma queda para 124º é algo para se lamentar e trabalhar para reverter, como temos feito deste o início do ano – afirmou o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos da Costa, nesta quinta-feira.

Ele lembrou, contudo, que os dados para confecção da lista foram coletados entre fevereiro e março, não captando algumas ações positivas já implementadas.

– A diminuição da taxa básica de juros a um nível recorde, a retomada da geração de empregos, a lei da liberdade econômica, a aprovação do cadastro positivo e a aprovação da reforma da Previdência são alguns exemplos de que o Brasil muda de rumo – afirmou a secretaria comandada por Costa, em nota à imprensa.

O ranking analisa a facilidade de fazer negócios em 190 economias, com notas mais altas indicando que as regulações do ambiente de negócios são mais propícias ao empreendedorismo. No geral, a nota brasileira foi calculada em 59,1, sobre 58,6 no ranking anterior.

Em relação ao ano passado, houve mudança de metodologia no indicador de proteção de interesse dos minoritários, o que reduziu a nota do Brasil. Segundo Costa, o Brasil teria ficado em 120º lugar em 2018 por esse critério.

Em coletiva de imprensa, Costa também destacou que o governo já pediu ao Banco Mundial uma revisão em relação a um critério específico, sobre obtenção de eletricidade para um negócio no Brasil, cuja subclassificação sofreu forte piora do ano passado para cá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *