Brasil chega a Osaka com moral econômica deprimida, após queda no PIB

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços
Publicado quinta-feira, 27 de junho de 2019 as 17:27, por: CdB

Além do número desanimador, analistas de mercado reduziram a projeção de crescimento do PIB mais de 15 vezes consecutivas. Agora, o crescimento previsto para 2019 é de apenas 0,8%, ante estimativa anterior, feita em março, de uma expansão de 2,0%.

 

Por Redação – de São Paulo

 

Na cúpula dos 20 países mais relevantes, economicamente, no mundo, o G20, em Osaka, no Japão, o Brasil chega com o quinto pior desempenho econômico entre os países membros, neste primeiro trimestre. Levantamento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), entre janeiro e março, mostra que o país teve contração de 0,2% em comparação com um crescimento minúsculo, de 0,1%, no trimestre passado.

Membros do G20 discordam sobre mudança climática antes de reunião, dizem fontes

Além do número desanimador, analistas de mercado reduziram a projeção de crescimento do PIB mais de 15 vezes consecutivas. Agora, o crescimento previsto para 2019 é de apenas 0,8%, ante estimativa anterior, feita em março, de uma expansão de 2,0%. Brasil deve fechar este ano em recessão.

A África do Sul e a Coreia do Sul foram as economias do grupo onde o Produto Interno Bruto (PIB) mais desacelerou no grupo do G-20, com contrações de 0,9% e de 0,4%, respectivamente, comparado com taxas positivas de 0,3% e 0,9% no último trimestre de 2018, conforme levantamento da OCDE.

Nomes sujos

A recessão econômica na Argentina coloca o país em terceiro lugar com contração de 0,22% comparado a -1,2% no trimestre anterior.  De acordo com os dados, a China e a Índia tiveram ligeira desaceleração, mas continuaram com o maior crescimento no G-20 também no primeiro trimestre, de 1,4% e 1,5%, respectivamente.

O Brasil tem mais de 60 milhões de pessoas com nomes sujos no SPC e quase 40 milhões na informalidade, o que é um entrave para alancar o consumo e retomar o crescimento. O mais grave foi a declaração de Bolsonaro em março no Chile durantecafé da manhã com empresários daquele país:

“A nossa equipe econômica que desregulamentar muita coisa. Eu tenho dito que na questão trabalhista nós devemos beirar a informalidade porque a nossa mão de obra talvez seja uma das mais caras do mundo. A Consolidação das Leis Trabalhistas não se adequa mais à realidade”, disse.

Falta de mercado consumidor e de proposta para atrair investimento dão o tom de um governo sem rumo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *