Brexit: oposição irá bloquear pedido de eleição antecipada de premiê

Arquivado em: Europa, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 6 de setembro de 2019 as 10:42, por: CdB

Mais de três anos depois de o Reino Unido decidir deixar a UE por meio de um referendo, o país ruma para uma eleição e o Brexit continua incerto.

Por Redação, com Reuters – de Londres

Partidos de oposição do Reino Unido disseram nesta sexta-feira que vão bloquear a segunda tentativa do premiê Boris Johnson de convocar uma eleição antecipada para meados de outubro, o que deve provocar mais uma disputa com o governo sobre o adiamento do Brexit.

Mensagem de oposição ao premiê britânico, Boris Johnson, é exibida em escultura no Reino Unido

Mais de três anos depois de o Reino Unido decidir deixar a UE por meio de um referendo, o país ruma para uma eleição e o Brexit continua incerto, as opções vão de uma saída sem acordo turbulenta à desistência completa da iniciativa.

Na segunda-feira, os parlamentares britânicos farão outra votação de uma moção para decidir se convocam uma eleição antecipada, disse o líder da Câmara dos Comuns, Jacob Rees-Mogg.

Partido Trabalhista

Mas siglas de oposição, inclusive o Partido Trabalhista, disseram que vão impedir que uma eleição possibilite a Johnson tirar o país da UE sem um acordo no fim de outubro.

Uma fonte trabalhista disse que a legenda não apoiará a proposta de Johnson na votação de segunda-feira.

– Nós teremos essa eleição quando for a hora certa, mas eu prometo a você que não teremos uma longa espera – disse Ian Blackford à emissora BBC.

Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista, fará uma teleconferência com outros partidos opositores nesta sexta-feira, disse um porta-voz trabalhista. Na quinta-feira, Johnson disse que preferia estar “morto em uma vala” do que adiar o Brexit.

O ex-premiê John Major disse que Johnson deveria demitir Dominic Cummings, assessor por trás da estratégia arriscada do Brexit.

Indagado sobre o pedido de Major, Cummings respondeu à agência inglesa de notícias Reuters: “De verdade? Confiem no povo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *