Chegamos ao limite da paciência humana com Bolsonaro

Arquivado em: Destaque do Dia, Opinião, Últimas Notícias
Publicado domingo, 11 de agosto de 2019 as 14:59, por: CdB

Não é este o Brasil que queremos, temos que reunir todas as forças possíveis, sair às ruas e reverter a situação.

 

Por Maria Fernanda Arruda – do Rio de Janeiro

 

Muitas pessoas  votaram no Bolsonaro por achar que o país teria uma mão firme contra a violência nas ruas e a corrupção. Depois de sete meses de governo a violência nas ruas piorou, a corrupção continua igual ou pior: todos os governadores e deputados foram ‘contactados’ para aprovar a reforma da previdência, o Queiroz não aparece, o Moro resultou ser um manipulador e o nepotismo está em alta: filho do presidente indicado para a embaixada norte-americana.

Bolsonaro tem deixado o país em uma posição delicada no conjunto das nações
Bolsonaro tem deixado o país em uma posição delicada no conjunto das nações

O Bolsonaro de arma na cintura não deu emprego nem fez crescer o Brasil.

Cometeu outro dia a ousadia de  ofender o presidente da OAB usando a morte de seu pai, executado pela ditadura militar.

Às ruas

Dias atrás ameaçou o Glenn de “ir em cana”, ultrajou os índios afirmando “Índio não é para ficar isolado em uma reserva como se fosse um zoológico”,  questionou o relato de assassinato do cacique Waiãpi após invasão de garimpeiros no Amapá, priorizando seu corte de cabelo ao encontro com chanceler francês por que este teria se reunido com lideranças  ambientalistas.

Debochou da morte de 57 detentos ao afirmar: “Pergunta às vítimas deles, diz Bolsonaro sobre mortos em presídio”. Pois então, o país não se desenvolve, a corrupção e a violência continuam e o presidente só dá nota fora , como se diz no vocabulário musical.

Não é este o Brasil que queremos, temos que reunir todas as forças possíveis, sair às ruas e reverter a situação.

Maria Fernanda Arruda é escritora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *