Civilização quer evitar a destruição da floresta amazônica

Arquivado em: Arquivo CDB, Boletim, Destaque do Dia, Direto da Redação, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 6 de agosto de 2019 as 17:28, por: CdB

O jornalista Daniel Buarque, no blog Brasilianismo, alerta que importantes publicações do exterior já trazem discussões sobre o que os países civilizados poderão fazer para evitar que o desatinado Governo Bolsonaro continue dando liberdade de ação para o agronegócio destruir a floresta amazônica.

Celso Lungaretti, de São Paulo:
Desmatamento pode ser trágico para o planeta
Um deles é Quem vai invadir o Brasil para salvar a Amazônia? , uma divagação de Stephen M. Walt, professor de relações internacionais de Harvard, publicada numa importante revista de diplomacia, a Foreign Policy.
A destruição da Floresta Amazônica pode justificar uma intervenção
Walt ressalva que não está “recomendando esse curso de ação, agora ou no futuro”, mas implicitamente propõe uma maneira soft de atingir o mesmo objetivo, ao ponderar que “o Brasil pode ser um pouco mais vulnerável à pressão do que alguns outros Estados”.
No seu entender, a questão ambiental e o combate ao aquecimento global podem ser vistos como tema central da política internacional do futuro.

Já o analista político e escritor Tyler Bellstrom, no magazine New Republic, assina o artigo Brasil é uma ameaça maior do que o Irã ou a China, cujo foco é este:

“Um nível adequado de atenção às mudanças climáticas como uma preocupação urgente de segurança exigiria que os EUA reordenassem suas prioridades. Enquanto a China é um dos maiores emissores de gases de efeito estufa, devemos prestar mais atenção ao que está acontecendo em nosso hemisfério. 

Em particular, isso significa abordar o perigo mais imediato que estamos enfrentando de um estado que oficialmente é parceiro e do presidente aliado de Trump: o Brasil de Jair Bolsonaro e seu desmatamento acelerado na Amazônia”.

Além do quanto há de humilhante para nós em estrangeiros já começarem a avaliar formas de tutelar-nos, convido os leitores a considerarem o seguinte cenário futuro, perfeitamente plausível:
1. o Senado brasileiro, atestando a própria inutilidade, verga-se à pressão de Bolsonaro e aprova a indicação do filho 03 para embaixador em Washington;
2. tendo fracassado em entregar aos estadunidenses o boom econômico que prometera na campanha, Donald Trump é despejado da Casa Branca e os democratas reassumem no ano que vem;

3. aí as pressões no sentido de forçar Bolsonaro a deter a fúria predatória do agronegócio se tornariam uma possibilidade bem concreta, cabendo a um amador fanatizado a incumbência de negociar a melindrosa questão com os competentes profissionais dos EUA..

O erro trágico de 39% dos eleitores brasileiros em outubro de 2018 tende a gerar consequências cada vez mais nefastas, que recairão também sobre os 61% que, por ação, omissão ou impotência, deram tamanha sopa pro azar.

Celso Lungaretti, jornalista e escritor,  foi resistente à ditadura militar ainda secundarista e participou da Vanguarda Popular Revolucionária. Preso e processado, escreveu o livro Náufrago da Utopia (Geração Editorial). Tem um ativo blog com esse mesmo título.

Direto da Redação é um fórum de debates editado pelo jornalista Rui Martins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *