Com mais de 70 milhões de jovens fora da escola, MEC permanece à deriva

Arquivado em: Destaque do Dia, Educação, Últimas Notícias
Publicado domingo, 5 de julho de 2020 as 17:58, por: CdB

Após a matéria, que cita os contratos milionários mantidos pela empresa de Feder, justamente no Ministério da Educação, Bolsonaro cedeu às críticas de seus grupos de apoio e refugou da nomeação do secretário da área, no Paraná.

Por Redação – de Brasília

No vergonhoso posto de um dos países com maior evasão escolar, no mundo, o Brasil tende a permanecer, por mais algum tempo, sem um ministro para a pasta da Educação. Após a veiculação de uma reportagem devastadora, no canal norte-americano de TV CNN, na véspera, o presidente Jair Bolsonaro teria desistido de nomear o empresário Renato Feder para o posto.

Feder, em mensagem no Twitter, agradeceu ao presidente Bolsonaro (sem partido) e recusou o convite para o Ministério da Educação, ao saber que seria preterido
Feder, em mensagem no Twitter, agradeceu ao presidente Bolsonaro (sem partido) e recusou o convite para o Ministério da Educação, ao saber que seria preterido

Após a matéria, de cita os contratos milionários que a empresa de Feder mantém, justamente no Ministério da Educação, Bolsonaro cedeu às críticas de seus grupos de apoio e refugou da nomeação do secretário da área, no Paraná.

“Recebi na noite da última quinta-feira uma ligação do presidente Jair Bolsonaro me convidando para ser ministro da Educação. Fiquei muito honrado com o convite, que coroa o bom trabalho feito por 90 mil profissionais da Educação do Paraná”, escreveu Feder no Twitter.

“Agradeço ao presidente Jair Bolsonaro, por quem tenho grande apreço, mas declino do convite recebido. Sigo com o projeto no Paraná, desejo sorte ao presidente e uma boa gestão no Ministério da Educação”, reafirmou o secretário.

Currículo

Segundo a jornalista Ana Flor, em comentário transmitido por um canal de TV por assinatura, Bolsonaro havia ligado para Renato Feder na noite de quinta-feira “e chegou a convidá-lo para ir a Brasília nesta segunda-feira, numa sinalização de que ele seria nomeado ministro. A ideia não foi adiante”.

“Essa é a segunda vez que Feder foi descartado para o comando do MEC. Ele chegou a encontrar o presidente no Planalto há cerca de 10 dias, antes de Bolsonaro escolher Carlos Alberto Decotelli, que por inconsistências no currículo não chegou a ser efetivado”, acrescenta.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, apenas no final de março já haviam cerca de 77,6 milhões de jovens sem estudar devido à escolas fechadas de apenas 85 países, incluindo o Brasil.

Pandemia

Ainda que muitas escolas tenham mantido as aulas em formato de Ensino a Distância (Ead), as possibilidades de melhorias em diversos setores da educação brasileira são infinitas e precisam ser feitas com criatividade e pensamento coletivo, tanto para os estudantes iniciantes quanto para manter aqueles que já estudam, mas que desejam ou precisam parar os estudos, principalmente neste momento com a pandemia.

Pegando uma amostragem de 100 país, vemos que o Brasil também se posiciona em 56º lugar no ranking do maior número de estudantes fora da escola,  – o que representa uma média de 8% de jovens sem estudar. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *