Com venda de distribuidora, lucro da Eletrobras dispara 305%

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 13 de agosto de 2019 as 11:23, por: CdB

A receita operacional líquida da companhia avançou 12,4%, para R$ 6,6 bilhões.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

A estatal Eletrobras registrou lucro líquido de R$ 5,56 bilhões no segundo trimestre, salto de 305% na comparação anual, influenciado por ganhos obtidos com a reversão do patrimônio líquido negativo de sua distribuidora Amazonas Energia, privatizada no final do ano passado.

A maior elétrica da América Latina é responsável por metade da transmissão e um terço da capacidade de geração no Brasil

A maior elétrica da América Latina, responsável por metade da transmissão e um terço da capacidade de geração no Brasil, somou lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de R$ 1,35 bilhão, recuo de 62% na comparação anual. O Ebitda recorrente foi de R$ 3,1 bilhão, 7,8% acima do registrado em igual período de 2018.

A receita operacional líquida da companhia avançou 12,4%, para R$ 6,6 bilhões.

A Eletrobras disse que a privatização da Amazonas Energia, vendida em dezembro a um consórcio formado por Oliveira Energia e Atem, levou a um ganho de R$ 5,26 bilhões com a reversão de patrimônio líquido negativo.

A venda selou a saída da estatal do ramo de distribuição, no qual a Eletrobras controlava seis distribuidoras no Norte e Nordeste que foram negociadas ao longo do ano passado. A subsidiária do Amazonas era de longe a mais deficitária dentre elas.

A Eletrobras somou ainda um ganho de R$ 1,69 bilhão com um registro a valor justo de indenizações pela renovação de contratos antigos de transmissão (RBSE), decorrente da variação da taxa de desconto NTN-B.

Por outro lado, a companhia realizou provisão de R$ 921 milhões por créditos da Conta de Consumo de Combustíveis (CCC) cedidos pela Amazonas Energia à Eletrobras antes da privatização, além de R$ 329 milhões em provisões para contingências.

Já os investimentos da Eletrobras recuaram 41% na comparação anual, para R$ 578 milhões, em meio a uma reestruturação da companhia nos últimos anos que desacelerou os aportes. No acumulado do ano até o final do primeiro semestre os investimentos somavam R$ 1,09 bilhão, queda também de 41% ante os R$ 1,85 bilhão do ano anterior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *