Contato com a natureza é vital para a saúde das crianças, afirmam especialistas

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Saúde, Últimas Notícias
Publicado domingo, 11 de outubro de 2020 as 12:55, por: CdB

Segundo Melissa Barbosa, reforçar a importância dessa conexão é vital para que meninos e meninas também valorizem a natureza e compreendam a importância de protegê-la.

Por Redação, com ACS – de São Paulo

Incentivar o contato com a natureza desde cedo é essencial para o melhor desenvolvimento das crianças. Pesquisas mostram que a falta de oportunidades de brincar e aprender junto aos ambientes naturais está relacionada a problemas como obesidade, baixo rendimento escolar, miopia, baixa autoestima e falta de equilíbrio e habilidade física.

O contato com a natureza aumenta a autoestima de crianças como estas, que brincam nas águas do Rio Araguaia
O contato com a natureza aumenta a autoestima de crianças como estas, que brincam nas águas do Rio Araguaia

De acordo com um estudo da University College London (UCL) com alunos da rede primária inglesa, 79% das crianças que participaram de experimento ao ar livre relataram o aumento na autoconfiança e empatia. Além disso, cerca de 80% concordaram que o contato com a natureza os ajudava a ter uma relação melhor com professores e colegas. A UCL realizou a pesquisa com 451 crianças em 12 áreas da Inglaterra.

— A pandemia do coronavírus impôs um nível de isolamento social nunca antes visto, afastando as pessoas da natureza. É essencial que essa conexão seja retomada, fortalecida e, no caso das crianças, estimulada desde cedo, por meio de atividades e brincadeiras — explica a comunicóloga Melissa Barbosa, uma das coordenadoras da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

Alana

Segundo Barbosa, reforçar a importância dessa conexão é vital para que meninos e meninas também valorizem a natureza e compreendam a importância de protegê-la. Em 2019, o Instituto Alana e a Sociedade Brasileira de Pediatria também lançaram um manual com dicas de atividades para crianças, adolescentes, famílias, educadores e pediatras.

“Apesar de o bom senso e a experiência na clínica pediátrica reconhecerem os benefícios que a criança e o adolescente obtêm através do brincar e das atividades de lazer e aprendizado ao ar livre, em contato com a natureza, o fato é que em contextos urbanos eles têm cada dia menos oportunidades de usufruir desse direito universal”, alerta a publicação, coordenada pela integrante da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) e coordenadora do programa Criança e Natureza do Instituto Alana, Laís Fleury.

Entre as ações recomendadas pelo manual estão: estimular as crianças a explorar e conhecer seus bairros, fazer fora de casa as atividades que se costuma fazer dentro, organizar encontros e festas ao ar livre, cultivar plantas e hortas, dar preferências a destinos naturais durante as férias escolares e oferecer livros e revistas sobre natureza às crianças e adolescentes.

Coleção

“Os livros podem inspirar o amor e a curiosidade pela vida lá fora, ao ar livre. Exemplo: guias de campo sobre as aves e plantas, livros sobre aventuras na natureza e sobre sua beleza inspiradora”, diz a publicação.

— A literatura e demais manifestações artísticas também fazem parte do processo de construção de uma cultura voltada para o cuidado com a natureza e a biodiversidade — diz Melissa, a jornalistas.

Ela destaca como exemplo a coleção Meu Ambiente, lançada digitalmente neste ano pela Fundação Grupo Boticário. Contendo nove livros paradidáticos – do primeiro ao último ano do ensino fundamental – e com referencial teórico, a coleção ajuda professores e alunos a trabalharem assuntos de maneira transversal com outras disciplinas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *