Em depressão profunda, José Serra é alvo de devassa da Polícia Federal

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 3 de julho de 2020 as 15:09, por: CdB

De acordo com a acusação criminal, Serra recebeu da empreiteira Odebrecht pagamentos indevidos referentes às obras do Rodoanel Sul. A investigação apontou, ainda, que a filha de Serra participou da constituição de empresas no exterior para receber os pagamentos da empreiteira.

Por Redação – de São Paulo

A força-tarefa da Operação Lava Jato, agora integrada ao Ministério Público Federal (MPF), em São Paulo, denunciou nesta sexta-feira o ex-governador e atual senador José Serra (PSDB-SP) e sua filha, Verônica Allende Serra, pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão internacional de divisas. Ainda nesta manhã, o grupo deflagrou uma nova fase da operação relativa a outros fatos do mesmo esquema que beneficiaria o tucano, segundo nota divulgada pela instituição.

Veronica Serra é citada em documentos sobre transações suspeitas em banco suíço
Veronica Serra é citada em documentos sobre transações suspeitas em banco suíço

De acordo com o processo criminal, Serra recebeu da empreiteira Odebrecht pagamentos indevidos referentes às obras do Rodoanel Sul. A investigação apontou, ainda, que a filha de Serra participou da constituição de empresas no exterior para receber os pagamentos da empreiteira, destinados ao então governador paulista.

Uma conta offshore na Suíça controlada por Verônica Serra foi usada para o recebimento dos valores, disseram os investigadores. Na denúncia, os procuradores citam que os pagamentos indevidos chegaram, em valores atualizados, a R$ 191,5 milhões. Ao mesmo tempo, o MPF realiza a Operação Revoada e pretende cumprir oito mandados de busca e apreensão em São Paulo e no Rio de Janeiro para aprofundar as apurações.

Paulo Preto

“Com as provas colhidas até o momento, o MPF obteve autorização na Justiça Federal para o bloqueio de cerca de 40 milhões de reais em uma conta na Suíça”, informou a Força-Tarefa em nota. Operador do esquema criminoso, já condenado em primeira instância e cumprindo pena de prisão domiciliar, o engenheiro Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, é citado na denúncia.

Serra, ainda no Senado, pode ser preso a qualquer momento, caso seja comprovada sua participação em esquema criminoso
Serra, ainda no Senado, pode ser preso a qualquer momento, caso seja comprovada sua participação em esquema criminoso

A reportagem do Correio do Brasil buscou os representantes de Serra e de sua filha para se manifestarem sobre as investigações e obteve, em resposta, uma nota dos advogados do senador tucano na qual Serra diz que “causa estranheza e indignação” a ação deflagrada pela força tarefa.

Serra encontra-se em Trancoso, o litoral sul da Bahia, em quarentena devido à pandemia do novo coronavírus, mas fontes próximas ao ex-governador disseram ao CdB que ele se encontra em uma “profunda depressão”, em face às dificuldades que a filha encontrará, adiante, no âmbito judicial.

Mau humor

As denúncias contra a filha mais velha de José Serra se agravaram após o envio de informações por parte do governo suíço. Há evidências de lavagem de dinheiro e administração de propina. Desde que fotografias do passaporte de Verônica Serra surgiram no âmbito do inquérito como administradora de uma conta milionária naquele país, abastecida com recursos desviados dos cofres públicos pela Odebrecht, que confirmou os pagamentos em delação de executivos da empreiteira, Serra recolheu-se e não foi mais visto em público.

Conhecido por sua insônia crônica, o senador se submeteu a um tratamento alternativo, para reduzir as doses de remédios para dormir, mas o quadro se agravou. Amigos do ex-governador paulista, para quem ele costumava telefonar às altas horas da noite para repercutir fatos políticos, notaram o silêncio, cada vez maior.

Hoje, nos poucos momentos em que se dispõe a conversar, a fala é em um tom quase inaudível, sem qualquer sinal de vivacidade. Seu mau humor característico transformou-se em tristeza, segundo também os jornalistas que o procuravam para repercutir sobre algum assunto cotidiano.

Defesa

Ao perceber que o cerco judicial se apertava, Serra preferiu se afastar do Ministério das Relações Exteriores, no governo do presidente de facto Michel Temer e deixou a pasta para o tucano Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), que também figura no inquérito da PF. Mesmo a filha Veronica Serra, que frequentava a sociedade paulistana, optou por uma rotina mais discreta.

Ainda nesta manhã, o presidente do PSDB, deputado federal Bruno Araújo (PE), saiu em defesa do senador e disse que “o PSDB acredita no sistema judicial do País e defende as apurações na utilização de recursos públicos”. O mandatário tucano destacou ainda a história do senador José Serra para esclarecer os fatos.

“O PSDB acredita no sistema judicial do país e defende as apurações na utilização de recursos públicos, ao mesmo tempo em que confia na história do Senador José Serra e nos devidos esclarecimentos dos fatos”, conclui a nota.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *