Desabamento fecha túnel que liga Zona Sul à Barra

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 17 de maio de 2019 as 14:10, por: CdB

O desabamento fechou a via nos dois sentidos, interrompendo a principal ligação entre a Zona Sul e os bairros da Barra da Tijuca e São Conrado.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

O município do Rio de Janeiro entrou em estágio de crise no início da tarde desta sexta-feira depois que uma estrutura de concreto desabou no Túnel Rafael Mascarenhas (Acústico). O desabamento fechou a via nos dois sentidos, interrompendo a principal ligação entre a Zona Sul e os bairros da Barra da Tijuca e São Conrado.

Av. Niemeyer também está fechadada e cidade está em estágio de crise

Ainda não há informações sobre feridos no desabamento. O Corpo de Bombeiros está no local, que é parte do percurso da autoestrada Lagoa-Barra.

A prefeitura do Rio de Janeiro pede que os motoristas evitem trafegar entre a Zona Sul e a Barra, já que a Avenida Niemeyer, a outra ligação entre as duas regiões, também está totalmente bloqueada. A via foi fechada na quinta-feira por causa de um deslizamento de terra em São Conrado.

A mobilidade na Zona Sul da cidade está ainda mais prejudicada porque o Túnel Rebouças, ligação da Lagoa Rodrigo de Freitas com o Centro e a Zona Norte, está parcialmente interditado, devido a um acidente no sentido Zona Sul.

A cidade já havia entrado em estágio de atenção na manhã desta sexta por causa dos problemas de mobilidade. Além disso, há previsão de chuva forte para esta sexta-feira, além de ventos moderados a fortes e ressaca com ondas de até 2,5 metros.

Ônibus é incendiado

Um ônibus foi incendiado por volta das 20h de quarta-feira, nas esquinas das avenidas Presidente Vargas e Passos, no centro do Rio de Janeiro, a cerca de um quilômetro da Central do Brasil, onde milhares de pessoas se dispersavam após a manifestação contra o bloqueio de verbas das universidades públicas e institutos federais. O coletivo da empresa Mauá vinha do município de Niterói para a Praça XV, no centro. Não houve feridos.

Antes disto, ao final da manifestação, por volta das 19h35, um grupo de cerca de 150 pessoas, a maioria vestida de preto e com máscaras, atirou pedras e tentou destruir uma base da Operação  Centro Presente, projeto de segurança resultado de uma parceria entre o governo do Estado, prefeitura do Rio e Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomercio).

A tropa de choque da Polícia Militar chegou ao local e usou bombas de gás e de efeito moral na tentativa de pôr fim ao tumulto. Os manifestantes ainda atearam fogo em uma barricada.

Após o incêndio do ônibus, que foi controlado pelos bombeiros, manifestantes mascarados foram vistos caminhando em direção à Cinelândia, no centro.

Normalidade

Por volta das 22h, o Centro de Operações da Prefeitura do Rio informou que a cidade retornou ao Estágio de Normalidade, após a manifestação contra o bloqueio de verbas e que interditou as principais vias da região do centro.

A Federação de Transportes Rodoviários do Estado (Fetranspor) repudiou, em nota, o ataque criminoso ao ônibus no centro da cidade. “É mais um veículo com ar-condicionado que ficará fora de circulação por ações criminosas, que já destruíram 186 ônibus em todo o estado desde 2016.

Desses, 42% eram climatizados. Dos 186 ônibus atacados, apenas seis foram recuperados. A população é a mais prejudicada com a redução da oferta de transportes. Um ônibus incendiado deixa de transportar cerca de 70 mil passageiros em seis meses, tempo necessário para a reposição de um veículo no sistema”, informou a federação na nota.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *