Destino político de Bolsonaro é sombrio, avalia observador

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 19 de novembro de 2020 as 13:30, por: CdB

A análise de Garcia, publicada na edição desta quinta-feira do diário norte-americano The Washington Post, ressalta que o mandatário neofascista “apoiou candidatos espalhados por muitos partidos, mas não conseguiu eleger a maioria daqueles pelos quais fez campanha”.

Por Redação, com WP – de São Paulo

As urnas revelaram um destino sombrio para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com a derrota nas maiores cidades do país para seus adversários mais ferrenhos, tanto à esquerda, quanto à direita. Embora grandes legendas, a exemplo do PT e do MDB, terem perdido espaço, o principal derrotado nas urnas foi Bolsonaro, avalia observador do diário norte-americano The Washington Post, o jornalista Raphael Tsavkko Garcia.

Desde a eleição de Bolsonaro, 48 brasileiros pediram ajuda de organização que ajuda acadêmicos ameaçados
Desde a eleição municipal, Bolsonaro vê seu capital político indo embora junto com a onda ultraconservadora que se esvaziou, nas urnas

A análise de Garcia, publicada na edição desta quinta-feira, ressalta que o mandatário neofascista “apoiou candidatos espalhados por muitos partidos, mas não conseguiu eleger a maioria daqueles pelos quais fez campanha”.

“Os resultados mostram um cenário eleitoral confuso em que o chamado ‘Centrão’, composto por partidos sem grande alinhamento ideológico, ganhou espaço. Enquanto isso, a extrema direita, liderada pelo presidente Jair Bolsonaro, recuou e a esquerda sofreu um grande realinhamento interno, com as candidaturas tradicionais dando lugar a políticos mais jovens com agendas baseadas na identidade; candidatos progressistas, especialmente mulheres negras e candidatos LGBT, viram um crescimento surpreendente”, destaca o texto.

Extrema direita

“Curiosamente, as candidaturas tradicionais acabaram perdendo espaço em várias grandes cidades para mulheres negras e candidatas trans, que faziam campanha com base na ideia de representatividade – tendência que promete apenas ganhar impulso para as próximas eleições nacionais de 2022”, avalia Garcia.

“À direita, Bolsonaro sofre com a falta de um partido político próprio – e de uma base unificada. Com candidatos espalhados por vários partidos, o presidente perdeu força na hora de planejar uma estratégia eleitoral coerente e criar uma identidade. A extrema direita também chegou a esta eleição terrivelmente dividida”, acrescenta.

Ainda segundo o jornalista, embora tenha ocorrido uma grande campanha de desinformação nas redes sociais, desencadeada após a tentativa de ataques hackers e de problemas em um computador do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que resultaram em atraso na apuração, a explicação para a derrota de Bolsonaro e da direita podem ser relativamente simples.

Inadequado

“A eleição de 2018 que Bolsonaro venceu e que levou vários políticos extremistas a cargos legislativos foi atípica. Além de uma das maiores campanhas de desinformação e notícias falsas já vista, foi uma época em que as festas tradicionais foram apanhadas de calças abertas”, analisa.

“Mas, com um país ainda em crise – não só por causa da pandemia, mas também devido a um governo inadequado – com a fragmentação da base política de Bolsonaro e uma aparente redução da desinformação online, o extremismo acabou perdendo força. A promessa de transformação não se cumpriu, a moralização da política não chegou (Bolsonaro e sua família estão envolvidos em inúmeros escândalos de corrupção) e, no final, parece haver um limite para o ódio e as mentiras espalhadas pelas redes sociais”, resume o jornalista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *