Dólar tem pouca variação ante moeda brasileira

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 8 de outubro de 2019 as 13:25, por: CdB

Na segunda-feira, o dólar encerrou em alta de 1,15%, a R$ 4,1045, em dia de maior aversão a ativos de risco no exterior.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

O dólar operava em queda contra o real nesta terça-feira, depois de subir mais de 1% na véspera, com agentes do mercado ainda monitorando as relações comerciais entre Estados Unidos e China e à espera da fala do chairman do Federal Reserve, Jerome Powell, em evento.

Às 10:27, o dólar recuava 0,49%, a R$ 4,0842 na venda. Na segunda-feira, o dólar encerrou em alta de 1,15%, a R$ 4,1045, em dia de maior aversão a ativos de risco no exterior.

Na segunda-feira, o dólar encerrou em alta de 1,15%, a R$ 4,1045, em dia de maior aversão a ativos de risco no exterior
Na segunda-feira, o dólar encerrou em alta de 1,15%, a R$ 4,1045, em dia de maior aversão a ativos de risco no exterior

Na B3, o dólar futuro tinha queda de 0,60%, a R$ 4,0895.

– Há várias questões adicionando incerteza aos mercados, principalmente as negociações comerciais EUA-China. Hoje, os mercados devem prestar bastante atenção nisso e também no discurso de Powell – afirmou Jaime Ferreira, diretor de câmbio da Intercam Corretora.

As perspectivas de progresso nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China diminuíram na segunda-feira, depois que Washington colocou empresas chinesas em sua lista de sanções devido ao tratamento de Pequim em relação a minorias étnicas predominantemente muçulmanas, e o presidente norte-americano Donald Trump disse que um acordo comercial rápido é improvável.

As incertezas em torno da relação entre os dois países se refletiam nos mercados de câmbio, em dia misto para moedas emergentes pares do real, com o rand sul-africano se desvalorizando e peso mexicano registrando ganhos contra o dólar.

As negociações comerciais de alto escalão entre os dois países devem ser retomadas na quinta-feira.

A sessão desta terça-feira também será marcada pela fala de Jerome Powell em um evento em Washington às 15h30 (horário de Brasília). A expectativa é que a autoridade dê mais sinais sobre a leitura do Fed dos dados recentes dos EUA e sobre o futuro da política monetária do banco.

Os preços aos produtores norte-americanos caíram inesperadamente em setembro, pressionados pelas reduções nos custos de bens e serviços, o que pode dar ao Federal Reserve margem para cortar os juros novamente este mês buscando limitar o impacto das tensões comerciais e da desaceleração do crescimento no exterior sobre a economia dos EUA.

Ibovespa

A bolsa paulista começava a terça-feira com um viés mais positivo, com o Ibovespa ensaiando uma melhora após cair quase 2% na véspera, enquanto o cenário externo, em particular o embate comercial EUA-China, ainda endossava alguma cautela.

Às 10:04, o Ibovespa subia 0,13 %, a 100.702,9 pontos.

Na China

O mercado acionário da China fechou em alta nesta terça-feira, uma vez que dados fracos sobre o setor de serviços reforçaram as expectativas de que o governo irá adotar mais medidas de estímulo, embora incertezas em torno das negociações com os Estados Unidos tenham limitado os ganhos.

Os mercados do país reabriram nesta terça-feira após uma semana de feriado.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 0,61%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,29%.

O setor de serviços da China cresceu no ritmo mais lento em sete meses em setembro apesar do forte aumento nas novas encomendas, uma vez que as despesas operacionais continuaram a subir no final do terceiro trimestre, mostrou nesta terça-feira a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do Caixin/Markit.

As perspectivas de avanço nas negociações comerciais entre EUA e China diminuíram na segunda-feira, depois que Washington colocou em uma lista negra empresas chinesas devido ao tratamento de Pequim às minorias étnicas predominantemente muçulmanas, e o presidente Donald Trump disse que um acordo comercial rápido é improvável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *