Donald Trump sai de carro em meio a contradições sobre sua saúde

Arquivado em: América do Norte, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 5 de outubro de 2020 as 10:25, por: CdB

Com campanha eleitoral paralisada, presidente deixa hospital para saudar apoiadores, em atitude amplamente condenada por médicos. Passeio encerra fim de semana repleto de declarações contraditórias sobre sua saúde.

Por Redação, com DW – de Washington

Após um fim de semana de declarações contraditórias sobre seu estado de saúde, mais grave do que foi inicialmente informado por médicos e a Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, saiu brevemente no domingo do hospital onde está internado e se trata da infecção de covid-19. Ele saudou seus apoiadores de dentro de um automóvel, em uma atitude amplamente condenada por especialistas.

Presidente dos EUA, Donald Trump, acena para apoiadores em frente ao hospital Walter Reed
Presidente dos EUA, Donald Trump, acena para apoiadores em frente ao hospital Walter Reed

Trump surpreendeu as pessoas que estavam em frente ao hospital militar Walter Reed, onde está internado desde a sexta-feira, para um breve passeio dentro de uma SUV preta, onde também estavam agentes do serviço secreto, que usavam máscaras e outros equipamentos de proteção.

Alguns especialistas criticaram o fato de Trump, que tenta a reeleição, estar mais preocupado com a campanha eleitoral, com a aproximação das eleições no dia 3 de novembro, do que com a própria saúde e a de seus funcionários e agentes de segurança, além de, mais uma vez, descumprir normas sanitárias.

O passeio foi o encerramento de um fim de semana repleto de declarações contraditórias a respeito do estado de saúde do presidente, cujo quadro clínico chegou a ser agravar por complicações relacionadas à doença, enquanto a equipe médica tentava transmitir uma visão otimista em relação a suas condições.

Em mensagem de vídeo  divulgada neste fim de semana, Trump dissera compreender a gravidade da doença. Entretanto, sua saída do hospital estava em ampla contradição com as recomendações de saúde das autoridades de seu próprio governo.

Segundo as diretrizes do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, “o transporte e movimentação de pacientes com infecção suspeita ou confirmada de covid-19 para fora de seus quartos deve ser limitado apenas aos propósitos médicos”.

– Isso é uma insanidade – afirmou o diretor de medicina da Universidade George Washington, James P. Phillips, que também atende no hospital Walter Reed.

– Cada pessoa naquele veículo, durante aquele passeio completamente desnecessário, terá de ficar em quarentena por 14 dias. Eles podem adoecer. Podem morrer – criticou. Tudo isso, segundo Phillips, “por um teatro político, comandado por Trump, para pôr suas vidas em risco”.

Zeke Emanuel, diretor do Departamento de Ética Médica e Políticas de Saúde da Universidade da Pensilvânia, disse que a aparição pública do presidente foi “vergonhosa”. “Fazer com que os agentes secretos saiam de carro com um paciente de covid-19, ainda mais com as janelas fechadas, os coloca desnecessariamente em risco de infecção. E para que? Para uma encenação”, observou.

O passeio de Trump

O porta-voz da Casa Branca, Judd Deere, disse que o passeio de Trump foi autorizado pela equipe médica, que “considerou seguro fazê-lo”. Ele assegurou que todas as precauções foram tomadas, inclusive o uso de equipamento de proteção para Trump, para os funcionários da Casa Branca e para os agentes de segurança que o acompanharam.

Após uma série de informações conflitantes sobre o estado de saúde de Trump, o médico da Casa Branca, Sean Conley, admitiu que havia tentado apresentar um quadro mais otimista das condições clínicas do presidente. “Ao fazê-lo, pôde parecer que nós estaríamos tentando esconder alguma coisa, o que não é necessariamente verdade. A verdade que ele está passando muito bem”, assegurou.

Entretanto, alguns especialistas consideram que as declarações de Conley sobre o tratamento recebido impor Trump eram difíceis de conciliar com sua avaliação positiva e com o anúncio da possibilidade de o presidente receber alta nesta segunda-feira.

Ele precisou de oxigênio

Seus médicos disseram que ele continuava melhorando da doença, mas admitiram o presidente chegou a precisar de oxigênio suplementar, antes de ser medicado com o esteroide dexametasona em resposta a “níveis baixos de oxigênio transitório”. A Sociedade de Doenças Infecciosas dos EUA, porém, não recomenda o uso do medicamento em casos leves da doença, pois ele diminui a capacidade do corpo de combater o vírus.

Os médicos disseram que o presidente não teve febre desde sexta-feira e que suas funções hepáticas e renais permanecem normais após ter sido ministrada a segunda dose do antiviral Remdesivir. Entretanto, a equipe evitou responder questionamentos sobre a queda do nível de oxigênio no sangue de Trump e se os exames nos pulmões revelaram quaisquer danos.

Trump, de 74 anos, é considerado um paciente de alto risco pela idade avançada e por estar acima do peso. A primeira-dama, Melania Trump, que também está com o novo coronavírus, permanece em tratamento na Casa Branca.

Até o momento, mais de 7,4 milhões de pessoas foram infectadas pelo coronavírus nos EUA, enquanto o país se aproxima das 210 mil mortes em razão da doença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *