Economia britânica cresce no ritmo anual mais lento desde 2010

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 11 de novembro de 2019 as 12:24, por: CdB

O crescimento do Produto Interno Bruto no terceiro trimestre desacelerou a 1,0% sobre o ano anterior.

Por Redação, com Reuters – de Londres

A economia do Reino Unido cresceu no ritmo anual mais lento em quase uma década nos três meses encerrados em setembro, uma vez que a desaceleração global e as preocupações com o Brexit afetaram o investimento empresarial e a manufatura.

A desaceleração reflete uma recuperação menor do que o esperado no crescimento trimestral do PIB após contração no segundo trimestre
A desaceleração reflete uma recuperação menor do que o esperado no crescimento trimestral do PIB após contração no segundo trimestre

O crescimento do Produto Interno Bruto no terceiro trimestre desacelerou a 1,0% sobre o ano anterior, de 1,3% no segundo trimestre, informou a Agência Nacional de Estatísticas, nível mais fraco desde os três primeiros meses de 2010 e pouco abaixo das expectativas dos economistas em pesquisa da agência de notícias britânica Reuters de 1,1%.

A desaceleração reflete uma recuperação menor do que o esperado no crescimento trimestral do PIB após contração no segundo trimestre, quando as empresas enfrentaram um excedente de estoque de matérias-primas após o Brexit ter sido adiado do final de março.

Na comparação trimestral, o PIB expandiu a uma taxa de 0,3% no terceiro trimestre de 2019, abaixo da leitura de 0,4% esperada pelo banco central, assim como por economistas do setor privado.

Taxa de juros

Autoridades do banco central britânico votaram inesperadamente por baixar sua taxa de juros este mês devido a sinais de uma desaceleração econômica mais profunda, e outras disseram que considerariam um corte se os problemas globais e do Brexit não cessarem.

O Banco da Inglaterra disse, no último dia 7, que seu Comitê de Política Monetária, composto por nove membros, votou por 7 a 2 para manter a taxa de juros em 0,75%, em nítido contraste com as previsões de uma pesquisa da agência britânica de notícias Reuters, que apostava em decisão unânime.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *