Egito: protestos pedem saída de presidente

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 21 de setembro de 2019 as 11:32, por: CdB

Pequenos protestos contra o governo eclodiram no Cairo e em outras cidades egípcias. Tais manifestações públicas de dissidência contra o presidente Abdel Fatah al-Sisi são raras no país.

Por Redação, com DW – do Cairo

Várias pessoas foram detidas na sexta-feira no Cairo quando se manifestavam para exigir a renúncia do presidente egípcio, Abdel Fatah al-Sisi.

Manifestantes acusam presidente egípcio de corrupção

Pequenas manifestações antigovernamentais também aconteceram durante a noite em outras cidades do país, mas a polícia rapidamente dispersou os manifestantes.

Na capital, centenas de pessoas se manifestaram na Praça Tahrir, o epicentro do levante de 2011 que levou à queda do presidente Hosni Mubarak.

Vídeos publicados nas redes sociais mostravam também algumas dezenas de pessoas reunidas nas cidades de Alexandria, Mahalla al-Kubra e Damietta, no delta do Nilo, bem como em Suez.

Manifestações antigovernamentais são raras no Egito, onde são proibidas por uma lei adotada em 2013, após o golpe militar liderado por Sisi contra o então presidente Mohamed Morsi.

Morsi se encontrava detido desde a sua destituição em julho de 2013 e morreu em junho último, durante uma sessão em tribunal.

Sisi foi eleito presidente em 2014 e reeleito em 2018, vencendo ambos os pleitos com 97% dos votos. Ele justificou suas políticas autoritárias como medidas de segurança necessárias, particularmente diante de uma insurgência islâmica na Península do Sinai e de distúrbios generalizados após a revolução de 2011.

Organizações não governamentais locais e internacionais acusam regularmente o Egito de reprimir vozes dissidentes e violar os direitos humanos. Desde que Abdel Fatah al-Sisi chegou ao poder, foram presos vários opositores, jornalistas e artistas.

Manifestações

Os protestos de sexta-feira foram precedidos de vários apelos nas redes sociais, principalmente do empresário e ator egípcio Mohamed Ali, que vive exilado na Espanha. Ele exigiu a deposição de Sisi numa série de vídeos amplamente divulgados na internet. Ali acusou Sisi e os militares de corrupção.

No sábado passado, Sisi negara as acusações chamando as alegações de “mentiras e calúnias” e dizendo que era “honesto e fiel” ao povo e às Forças Armadas egípcias.

Em seu último vídeo, na sexta-feira, Ali pediu aos egípcios que saíssem às ruas depois de um clássico do futebol entre os clubes rivais do Cairo, Al Ahly e Zamalek.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *