Em escala mundial, mulheres têm menos chances de participar do mercado de trabalho

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 8 de março de 2018 as 16:36, por: CdB

A diferença entre a taxa de atividade de homens e mulheres diminuiu em dois pontos percentuais desde 1990, e a maior parte dessa redução aconteceu nos anos anteriores a 2009.

 

Por Redação, com DW – de Bruxelas

 

Para cada dez homens no mercado de trabalho há apenas seis mulheres, segundo um relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado nesta quinta-feira, Dia Internacional da Mulher, e que alerta que a taxa de participação feminina deverá diminuir até 2021.

A participação das mulheres no mercado de trabalho vem caindo desde o final do século passado

A participação das mulheres no mercado de trabalho vem caindo desde o final do século passado

O relatório sobre as tendências do emprego feminino afirma que a taxa mundial de atividade das mulheres em 2018 é de 48,5%, 26,5 pontos percentuais menor que a dos homens. A taxa de desemprego das mulheres para 2018, calculada em 6% pela OIT, é 0,8 ponto percentual mais alta que a dos homens.

Diante desses dados, os analistas da OIT deduzem que “em escala mundial, as mulheres têm menos probabilidades de participar do mercado de trabalho que os homens”.

Igualdade

A diferença entre a taxa de atividade de homens e mulheres diminuiu em dois pontos percentuais desde 1990. E a maior parte dessa redução aconteceu nos anos anteriores a 2009. No entanto, desde então, a melhora desacelerou, e as estimativas da OIT são de que ela “paralisará no período 2018-2021 e possivelmente até retroceda e invalide as melhoras relativamente menores conseguidas na última década em matéria de igualdade de gênero no acesso ao mercado de trabalho”.

A diferença de participação laboral entre homens e mulheres varia consideravelmente entre as regiões. Ela está diminuindo nos países em desenvolvimento e desenvolvidos; mas continua aumentando nos países emergentes. É exatamente onde, desde 2009, subiu cinco décimos; chegando a 30,5 pontos percentuais em 2018. Segundo a projeção, essa lacuna continuará até 2021.

O relatório afirma que, em muitos países desenvolvidos, a taxa de participação das mulheres gradualmente se aproxima da dos homens. A lacuna nesse grupo de países é de 15,6 pontos percentuais em 2018. Quase a metade daquela observada nos países emergentes. E o nível mais baixo desde 1990; “apesar de a diferença nos países desenvolvidos continuar ampla, especialmente na Europa meridional”, especifica o texto. Ainda segundo a OIT, essa diferença continuará diminuindo até 2021.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *