Escolas de samba decidem manter rebaixamento da Imperatriz

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 27 de junho de 2019 as 11:44, por: CdB

Os presidentes de três das oito agremiações que haviam votado para salvar a Imperatriz Leopoldinense do rebaixamento declararam que desejam mudar de posição.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

A polêmica sobre a virada de mesa no resultado dos desfiles deste ano do Grupo Especial das Escolas de Samba do Rio de Janeiro teve novo capítulo na quarta-feira, mas continua indefinida. Em reunião na sede da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), os presidentes de três das oito agremiações que haviam votado para salvar a Imperatriz Leopoldinense do rebaixamento declararam que desejam mudar de posição.

Desfile da Imperatriz Leopoldinense no Carnaval 2019 no Rio de Janeiro

Dessa forma, o placar da votação realizada na assembleia-geral do último dia 4 será modificado, com os representantes da Unidos da Tijuca, União da Ilha e Paraiso do Tuiuti. Eles se unem aos representantes da Mangueira, Portela, Beija Flor, Viradouro e de Vila Isabel, que já tinham se posicionado contra a permanência da escola no Grupo Especial.

A Grande Rio, Mocidade, o Salgueiro, a São Clemente e Estácio de Sá se mantiveram favoráveis à permanência da Imperatriz Leopoldinense, a penúltima colocada no desfile da elite do carnaval carioca.

Como a Império Serrano, última colocada este ano e com o rebaixamento mantido, não teve direito a voto, assim como a Imperatriz Leopoldinense, o novo placar ficará em 8 a 5 pelo rebaixamento também da imperatriz.

A manutenção do resultado

Entretanto, a manutenção do resultado original ainda não está definida, devido a questões regimentais previstas no estatuto da Liesa. Isso porque uma decisão tomada em assembleia-geral da liga só pode ser alterada em outra assembleia-geral, o que não foi o caso do encontro dessa quarta-feira, considerado apenas uma reunião ordinária.

De acordo com a direção da Liga, a questão será encaminhada ao Departamento Jurídico da entidade, que vai definir os procedimentos a serem adotados para a realização de nova assembleia-geral, que discutirá o assunto. O detalhe, porém, é que nem mesmo o resultado da votação da última assembleia foi homologado, já que a ata da reunião não tinha sido assinada.

O documento, que oficializaria a virada de mesa, deve ser entregue até sexta-feira ao Ministério Público do Estado do Rio, dia em que também vence o prazo para o pagamento de multa de R$ 750 mil por descumprimento de Termo de Ajustamento de Conduta, assinado no ano passado com o órgão, no qual a Liesa se comprometeu a não alterar o resultado dos desfiles. Com os novos desdobramentos do caso, esse é outro ponto que continua indefinido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *