Estados Unidos podem proibir aplicativos chineses, incluindo TikTok, diz Pompeo

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 7 de julho de 2020 as 11:32, por: CdB

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo já acolheu uma medida semelhante da Índia, que emitiu uma ordem provisória bloqueando o TikTok e outros 58 aplicativos ligados à China em meio ao primeiro choque fronteiriço mortal em décadas.

Por Redação, com Sputnik – de Washington

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo já acolheu uma medida semelhante da Índia, que emitiu uma ordem provisória bloqueando o TikTok e outros 58 aplicativos ligados à China em meio ao primeiro choque fronteiriço mortal em décadas.

O serviço de redes sociais de compartilhamento de vídeo TikTok também sairá do mercado de Hong Kong daqui a alguns dias
O serviço de redes sociais de compartilhamento de vídeo TikTok também sairá do mercado de Hong Kong daqui a alguns dias

Mike Pompeo, revelou na segunda-feira que os Estados Unidos estão “certamente considerando” proibir aplicativos de redes sociais chineses, incluindo o TikTok.

– Eu não quero sair na frente do presidente, mas é algo que estamos certamente considerando – disse Pompeo em entrevista ao canal Fox News.

Na semana passada, o alto responsável afirmou que os EUA saudaram a proibição da Índia de 59 aplicativos chineses, acrescentando que isso “aumentaria a integridade e a segurança nacional da Índia”.

O serviço de redes sociais de compartilhamento de vídeo TikTok também sairá do mercado de Hong Kong daqui a alguns dias, informou à agência inglesa de notícias Reuters.

– À luz dos recentes eventos, decidimos parar as operações do aplicativo TikTok em Hong Kong – declarou um porta-voz do TikTok à agência de notícias, uma semana após a adoção chinesa da nova lei de segurança nacional para Hong Kong.

A nova lei

Sob a nova lei, as autoridades chinesas não precisam mais de uma ordem judicial para solicitar dados dos usuários de empresas como Facebook e Twitter, e as autoridades locais têm permissão para supervisionar as correspondências dos cidadãos de Hong Kong na Internet.

De acordo com o jornal The Wall Street Journal, muitos cidadãos nos últimos dias apagaram suas contas nas redes sociais por receio de que possam estar violando a nova lei chinesa.

Sob a Declaração Conjunta do Reino Unido e da China de 1984, o controle sobre Hong Kong passou para a China continental em 1997 como uma unidade administrativa especial, cujos cidadãos gozariam de liberdades políticas, econômicas e pessoais exclusivas até 2047 sob o conceito de “um país, dois sistemas”.

As relações entre a China e os EUA têm piorado durante a administração Trump, que iniciou uma guerra econômica com Pequim e apoiou manifestantes antigovernamentais em Hong Kong, que levou a uma lei nacional de segurança no antigo território do Reino Unido.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *