EUA querem fazer parceria com empresa de telefonia para enfrentar Huawei

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020 as 10:31, por: CdB

O procurador-geral dos EUA, William Barr, havia proposto anteriormente que o país considerasse adquirir duas grandes rivais estrangeiras da Huawei.

Por Redação, com Reuters – de Munique/Washington

Os Estados Unidos estão buscando desenvolver uma parceria com a indústria de telecomunicações para fornecer alternativas ante a liderança de mercado da chinesa Huawei Technologies, disse uma importante autoridade da Casa Branca nesta sexta-feira.

EUA querem fazer parceria com empresa de telefonia para enfrentar Huawei, diz autoridade
EUA querem fazer parceria com empresa de telefonia para enfrentar Huawei, diz autoridade

Falando na Conferência de Segurança de Munique, na Alemanha, Robert Blair, representante especial da Casa Branca para política internacional de telecomunicações, disse que uma parceria é “muito diferente de comprar ações com o dinheiro dos contribuintes”.

O procurador-geral dos EUA, William Barr, havia proposto anteriormente que o país considerasse adquirir duas grandes rivais estrangeiras da Huawei, embora a Casa Branca tenha rejeitado a sugestão pouco depois.

Blair também disse que o Reino Unido precisa avaliar decisão de usar equipamentos fabricados pela Huawei, que segundo autoridades de Washington é um risco à segurança, acusações que a empresa nega.

Contrato da Microsoft com Pentágono

Uma juíza norte-americana atendeu a um pedido da Amazon.com para paralisar temporariamente o contrato de computação em nuvem do Pentágono com a Microsoft, de até US$ 10 bilhões.

A Amazon abriu o processo em novembro, alegando que o presidente norte-americano, Donald Trump, que publicamente critica o presidente da Amazon, Jeff Bezos e a companhia, de exercer influência indevida na decisão que negou à gigante do varejo online o contrato.

Bezos controla o jornal Washington Post, cuja cobertura tem sido crítica à Trump e que tem sido alvo frequente do presidente norte-americano quando ele critica a imprensa.

A juíza Patricia Campbell-Smith concedeu uma liminar para a Amazon, mas não divulgou sua opinião sobre o caso. Ela também determinou que a Amazon pague US$ 42 milhões caso a liminar seja revista.

O Pentágono tinha informado anteriormente que planejava começar a trabalhar no contrato nesta sexta-feira.

Como parte do processo, a Amazon pediu ao tribunal em janeiro para pausar a execução do contrato, conhecido pela sigla em inglês “Jedi”. O contrato tem o objetivo de dar aos militares acesso melhorado a dados e tecnologia em regiões remotas.

Pentágono

O secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, nega possível interferência de Trump no contrato e disse que o Pentágono tomou a decisão de maneira justa e livre de influências externas.

A Microsoft afirmou que está decepcionada com o adiamento e acrescentou que “tem confiança no Departamento de Defesa” e que “acredita que os fatos mostrarão que a empresa participou de um processo detalhado e justo”.

Representantes da Amazon não comentaram o assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *