Fifa aprova uso do VAR na Copa do Mundo de 2018

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado sábado, 17 de março de 2018 as 13:30, por: CdB

Ainda de acordo com o presidente da Fifa, perde-se em média um minuto para que o árbitro de vídeo corrija uma decisão, tempo que é compensado por outros aspectos positivos da tecnologia

Por Redação, com EFE – de Zurique:

O Conselho da Fifa aprovou nesta sexta-feira o uso do VAR, o sistema de árbitro de vídeo, na Copa do Mundo de 2018, na Rússia, durante uma reunião realizada em Bogotá.

Infantino garantiu que o sistema estará pronto para o Mundial

– Vamos ter em 2018 o primeiro Mundial com VAR. Isso foi aprovado, decidido; estamos muito contentes com essa decisão – disse o presidente da Fifa, Gianni Infantino, em entrevista coletiva.

Dessa forma, o Conselho ratificou a decisão da da International Board (IFAB); que no último dia 3 aprovou de forma unânime a utilização do VAR com a filosofia de “mínima interferência e máximo benefício”; e com o objetivo de reduzir as injustiças causadas por erros ou não percepção de incidentes sérios.

Segundo o protocolo de uso da International Board, o uso será limitado a quatro predicados: gols ou não; pênaltis ou não; cartão vermelho direto e erro de identidade de jogador em uma expulsão ou advertência.

– É uma decisão muito importante, histórica, baseada na decisão da International Board. Uma decisão baseada em experimentos que fizemos em mais de mil partidas; que nos dá o certificado, com fatos muito contundentes, que o VAR ajuda o árbitro – declarou o dirigente suíço.

Mundial

Infantino garantiu que o sistema estará pronto para o Mundial e destacou; que a Fifa confia no presidente da comissão de árbitros, Pierluigi Collina, para implementar o sistema na Rússia.

– Sem o VAR, um árbitro comete um erro importante a cada três partidas. Com o VAR; o árbitro comete um erro importante a cada 19 partidas. São fatos. A porcentagem de acerto dos árbitros hoje é de 93% sem o VAR; o que já é excelente, e com o VAR é de 99% – detalhou.

Ainda de acordo com o presidente da Fifa, perde-se em média um minuto para que o árbitro de vídeo corrija uma decisão, tempo que é compensado por outros aspectos positivos da tecnologia.

– O que queremos é ajudar, é dar uma possibilidade a um árbitro de ter uma ajuda a mais quando tem que tomar decisões importantes. Não é possível que em 2018 todo mundo no estádio ou em casa saiba em poucos segundos se o árbitro cometeu um erro grave. Todos sabem, menos o árbitro – argumentou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *