Fórmula 1 pode manter Espanha no calendário

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Fórmula 1, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 2 de agosto de 2019 as 12:44, por: CdB

Barcelona estava sem contrato depois da corrida deste ano, e era vista como uma das que mais corriam risco de ficar de fora do cronograma.

Por Redação, com Reuters – de Budapeste

O calendário da Fórmula 1 pode ser ampliado e estabelecer um recorde de 22 corridas na próxima temporada agora que o governo catalão aprovou uma prorrogação de um ano do Grande Prêmio da Espanha no Circuito da Catalunha de Barcelona.

F1 poder manter Espanha no calendário e ter recorde de 22 corridas

Barcelona estava sem contrato depois da corrida deste ano, e era vista como uma das que mais corriam risco de ficar de fora do cronograma.

As autoridades catalãs disseram em um comunicado que autorizaram a assinatura de uma prorrogação com a F1 para 2020.

“A assinatura garantirá a comemoração da 30a edição consecutiva deste evento no circuito Barcelona-Catalunha”, acrescentaram.

É provável que a Alemanha, que sediou uma prova eletrizante em Hockenheim na semana passada, será descartada, mas o Vietnã deve estrear com uma corrida em Hanói e a Holanda volta pela primeira vez desde 1985 para capitalizar a popularidade de Max Verstappen.

México

O México também está sem contrato após a prova deste ano e pode perder financiamento estatal, mas a F1 está determinada a manter um de seus eventos mais frequentados.

Um novo acordo para o México e uma renovação para Barcelona ampliariam o calendário para 22 etapas, contanto que as novas pistas estejam prontas, mas isso também precisa da aprovação das equipes.

O chefe da Haas, Guenther Steiner, disse aos repórteres no GP da Hungria que a F1 perguntou sobre a possibilidade e que, em termos gerais, é a favor.

Mas o italiano expressou o receio de que equipes menores, como a sua, possam ter que pagar mais por seus motores. Atualmente, as regras determinam que cada piloto use três ao longo de toda a temporada.

– Temos que nos limitar a três motores. Se adotarmos um quarto motor, não faz sentido para nós financeiramente. Na verdade, é negativo para nós, então por que deveríamos fazê-lo? – indagou Steiner.

“Cabe aos fabricantes de motores dizer sim ou não. Se eles acreditam que conseguimos trabalhar com três motores, está tudo bem para mim”.

Anteriormente as equipes já demonstraram preocupação com o fardo que 22 corridas imporia aos seus funcionários e familiares, o calendário deste ano já se estenderá de março a dezembro.

Verstappen

Max Verstappen, da Red Bull, venceu no último domingo um molhado e caótico Grande Prêmio da Alemanha, marcado por acidentes e por períodos de presença do safety car, no qual o britânico Lewis Hamilton, da Mercedes, sequer pontuou.

Em uma corrida de reviravoltas constantes e várias paradas nos boxes, Sebastian Vettel, da Ferrari, saiu da última posição para terminar em segundo no Grande Prêmio disputado em sua casa.

O russo Daniil Kvyat terminou em uma surpreendente terceira posição com a Toro Rosso.

Rival mais próximo de Hamilton na classificação, Valtteri Bottas, da Mercedes, bateu a seis voltas do final, o que manteve a vantagem do britânico na liderança do campeonato inalterada em 39 pontos depois de 11 de 21 corridas disputadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *