França aprova imposto sobre empresas de tecnologia

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 11 de julho de 2019 as 11:21, por: CdB

 

 O Senado da França aprovou nesta quinta-feira um novo imposto sobre grandes empresas de tecnologia.

Por Redação, com Reuters – de Paris

 O Senado da França aprovou nesta quinta-feira um novo imposto sobre grandes empresas de tecnologia, o que pode abrir uma nova frente em uma disputa comercial entre os Estados Unidos e a União Europeia.

Senado francês aprova imposto sobre empresas de tecnologia

A taxa de 3% se aplicará à receita de serviços digitais obtida na França por empresas com mais de 25 milhões de euros em receita na França e 750 milhões de euros em todo o mundo. O imposto deve entrar em vigor de forma retroativa a partir do início de 2019.

Na quarta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ordenou uma investigação sobre o imposto, uma medida que pode levar os EUA a imporem novas tarifas ou outras restrições comerciais.

– Entre aliados, podemos e deveríamos resolver nossas disputas não com ameaças, mas através de outros meios – disse o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, aos senadores antes da votação final.

– A França é um país soberano, suas decisões sobre questões tributárias são soberanas e continuarão a ser soberanas.

UE

O governo francês foi adiante com o imposto porque países da UE não aprovaram uma taxa válida em todo o bloco por causa da oposição de Irlanda, Dinamarca, Suécia e Finlândia.

Outros países do bloco, como Áustria, Reino Unido, Espanha e Itália, também anunciaram planos de impostos digitais.

Eles dizem que uma taxa é necessária porque atualmente grandes multinacionais de internet, como Facebook e Amazon, podem registrar lucros em países com impostos baixos, independentemente da origem da renda.

A pressão política para reagir vem crescendo, já que varejistas locais de ruas e online estão em desvantagem. O presidente Emmanuel Macron disse que taxar mais as grandes empresas de tecnologia é uma questão de justiça social.

Mas o ministro das Finanças irlandês, Paschal Donohoe, disse em maio que impostos nacionais que visam firmas digitais sediadas principalmente nos EUA “têm muita probabilidade de exacerbar tensões comerciais globais e prejudicar o comércio e o investimento transnacionais” e tornarão mais difícil combinar uma reforma global.

O atrito

O atrito do imposto digital não tem relação com a disputa comercial transatlântica, mas pode ser usado por Trump para tentar obter concessões da UE na frente comercial.

Os EUA e a UE vêm se ameaçando mutuamente com a imposição de tarifas de bilhões de dólares em aviões, tratores e alimentos em uma disputa de quase 15 anos na Organização Mundial do Comércio (OMC), motivada por subsídios a aeronaves concedidos à fabricante de aviões norte-americana Boeing e à sua rival europeia, Airbus.

Moeda digital do Facebook

O bitcoin recuava nesta quinta-feira, ampliando as perdas um dia depois que o chariman do Federal Reserve, Jerome Powell, pedir interrupção no projeto de moeda digital do Facebook até que preocupações com questões que vão de privacidade até lavagem de dinheiro sejam resolvidas.

O bitcoin inicialmente caiu 7,7% mais cedo nesta quinta-feira, para 11.164 dólares, após uma queda de 3,8% na véspera, ocorrida depois dos comentários de Powell. Às 10h48, a moeda digital original exibia baixa de 3,7 %, cotada a US$ 11.649.

– Esta é uma resposta direta ao depoimento de Powell e comentários sobre a libra do Facebook, e as implicações que poderia criar para todo o setor da criptomoedas – disse Craig Erlam, analista sênior de mercado da plataforma OANDA.

– A libra levanta muitas preocupações sérias com relação à privacidade, lavagem de dinheiro, proteção ao consumidor e estabilidade financeira – disse Powell ao comitê de serviços financeiros da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos. Ele acrescentou que não acredita que o projeto do Facebook possa prosseguir a menos que as preocupações sejam resolvidas.

A criptomoeda

A criptomoeda proposta pela rede social atraiu forte atenção de formuladores de políticas monetárias e reguladores financeiros ao redor do globo. Powell disse que as regras existentes não se ajustam ao mundo das moedas digitais.

O bitcoin acumulou alta de quase 55% em nove dias depois que o Facebook anunciou planos para a libra em 18 de junho, atingindo um pico em 18 meses de quase US$ 14 mil. O projeto aumentou as esperanças de que as criptomoedas possam conseguir uma aceitação mais ampla.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *