França autoriza teste de sangue de verme marinho em pacientes com coronavírus

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado domingo, 5 de abril de 2020 as 11:54, por: CdB

O experimento consiste na administração de uma solução à base de sangue de vermes marinhos, com capacidade de transportar oxigênio, em pacientes que foram diagnosticados com coronavírus.

Por Redação, com Sputnik – de Paris

A empresa francesa Hemarina foi autorizada a iniciar um teste terapêutico em pessoas que tenham contraído a Covid-19, informa mídia.

Cientista analisa teste do coronavírus em laboratório em Singapura
Cientista analisa teste do coronavírus em laboratório em Singapura

A empresa francesa Hemarina foi autorizada a iniciar um teste terapêutico em pessoas que tenham contraído a Covid-19, informa mídia.

O experimento consiste na administração de uma solução à base de sangue de vermes marinhos, com capacidade de transportar oxigênio, em pacientes que foram diagnosticados com coronavírus.

Medicamento

Após obter a autorização da Agência Nacional de Segurança do Medicamento e dos Produtos de Saúde (ANSM) da França na semana passada, a empresa teve a aprovação do Comitê de Proteção de Pessoas (CPP) para realizar um ensaio em 10 pacientes de um hospital de Paris.

A solução

A solução é produzida com a hemoglobina da Arenicola, um verme que mede entre 10 e 15 centímetros. A hemoglobina proveniente destes animais é capaz de transportar 40 vezes mais oxigênio do que a hemoglobina humana. Ao contrário desta última, contida nos glóbulos vermelhos, a da Arenicola é extracelular.

Segundo Franck Zal, fundador da Hemarina, o protocolo de oxigenação utilizando a hemoglobina destes vermes pode ajudar os pacientes a melhorar significativamente a sua capacidade respiratória.

– Pode ir para lugares onde um glóbulo vermelho não pode ir – disse Zal ao jornal francês Ouest-France.

O especialista explica que primeiro será realizado um teste de segurança e eficácia, para tentar evitar que os pacientes cheguem à reanimação demasiado depressa e assim aliviar as UTIs.

A empresa pretende que a investigação seja de fonte aberta, e que os dados sejam publicados e abertos a toda a comunidade internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *