Governo espanhol recorre contra candidatura de Puigdemont à presidência da Catalunha

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 26 de janeiro de 2018 as 14:59, por: CdB

O Executivo espanhol destituiu Puigdemont como presidente da Catalunha, junto com todo seu governo, no dia 27 de outubro do ano passado

Por Redação, com EFE e Reuters  – de Madri:

O governo da Espanha decidiu nesta sexta-feira apresentar um recurso no Tribunal Constitucional contra a decisão de que o independentista Carles Puigdemont seja candidato a ser empossado como chefe do governo regional da Catalunha, uma vez que permanece na Bélgica foragido da Justiça espanhola.

Ex-líder da Catalunha Carles Puigdemont

O Executivo, presidido pelo conservador Mariano Rajoy, manteve a decisão de recorrer apesar de o Conselho de Estado (máximo órgão consultivo do país) não ver fundamentos para impugnar a candidatura de Puigdemont de maneira preventiva.

O presidente do parlamento da Catalunha, Roger Torrent, propôs no dia 22 de janeiro que Puigdemont seja o candidato; após as eleições regionais de 21 de dezembro do ano passado; e convocou a sessão de debate para sua posse para o próximo dia 30 de janeiro

Catalunha

No entanto, não foi decidido ainda como seria empossado; uma vez que permanece na Bélgica foragido da Justiça espanhola; que o investiga por ter promovido um processo independentista considerado ilegal na Catalunha.

O Executivo espanhol destituiu Puigdemont como presidente da Catalunha; junto com todo seu governo, no dia 27 de outubro do ano passado por promover um processo independentista nessa região espanhola.

Agora, ele e todos os membros do seu gabinete são investigados por rebelião e outros delitos.

Quatro deles permanecem também foragidos na Bélgica; dois cumprem prisão preventiva na Espanha e os demais estão em liberdade condicional.

Reino Unido

O ministro britânico para o Brexit, David Davis, disse que está confiante de que um acordo político pode ser alcançado durante reunião do Conselho da União Europeia em março para garantir um período de implementação com duração limitada depois que o país deixar o bloco em 2019.

– Nosso objetivo imediato é alcançar um acordo sobre o período de implementação – disse durante discurso. “E, porque nossos objetivos são em grande parte os mesmos; estou confiante de que um acordo político pode ser alcançado no Conselho Europeu em março”.

Durante discurso no nordeste da Inglaterra, Davis também afirmou que o o Reino Unido e a União Europeia precisam seguir as mesmas regras durante o período de implementação para suavizar a saída do país do bloco.

O ministro acrescentou que irá discutir com a União Europeia como reguladores podem fornecer clareza para empresas durante esse período.

– Nós precisamos discutir como reguladores e agências podem melhor fornecer continuidade e clareza durante esse período de uma maneira que beneficie a todos – disse.

– Nós devemos abordar o período de implementação como a ponte para esse novo relacionamento. Isso quer dizer cada lado se comprometendo a não tomar nenhuma ação que mine o outro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *