Guedes cancela férias e fica em Brasília, para ‘arrumar a mesa’

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado sábado, 19 de dezembro de 2020 as 15:35, por: CdB

Procurado pela reportagem, o Ministério da Economia disse, em nota, que não há um motivo específico para o ministro permanecer em Brasília, durante os dias que antecedem as festas de fim de ano. O ministro discordou, frontalmente, da posição negacionista do mandatário neofascista.

Por Redação – de Brasília

O ministro da Economia, Paulo Guedes, interrompeu o período de férias que iria tirar a partir deste fim de semana até 8 de janeiro, de acordo com publicação neste sábado em edição extra do Diário Oficial da União. Segundo um alto assessor do ministério, que falou ao Correio do Brasil em condição de anonimato, “ele (Guedes) preferiu ficar para arrumar a mesa” sem confirmar, ou negar, que o ministro tenha resolvido deixar o posto após uma série de desentendimentos com o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

Guedes conversou com Rodrigo Maia, na tentativa de colocar panos quentes na crise com Bolsonaro
A política econômica chefiada por Paulo Guedes tem sido questionada por setores do governo e ele estaria de saída do cargo

Procurado pela reportagem, o Ministério da Economia disse, em nota, que não há um motivo específico para o ministro permanecer em Brasília, durante os dias que antecedem as festas de fim de ano, e adiantou que ele permanecerá em seu gabinete, ao longo da próxima semana, às vésperas do Natal.

Sem recursos

Em um diapasão cada vez mais desafinado com o ritmo de Bolsonaro, o ministro discordou, frontalmente, da posição negacionista do mandatário e na véspera, durante uma coletiva, o desmentiu acerca do não pagamento do 13º salário a beneficiários do Bolsa Família, este ano. Guedes deixou claro que não havia qualquer previsão orçamentária para realizar tal despesa, ao contrário do que disse o presidente.

Bolsonaro havia acusado o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), de deixar caducar, propositalmente, a MP que autorizaria o pagamento. Guedes não apenas reconheceu que a equipe econômica do próprio governo pediu que a medida não fosse votada.