Huawei não será impedida de investir na França, diz ministro

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tablet & Celulares, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 21 de julho de 2020 as 13:05, por: CdB

O ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, disse nesta terça-feira que o governo não vai impedir o grupo chinês Huawei de investir no país, diferente da decisão do Reino Unido, que impediu a gigante de telecomunicações de fornecer equipamentos para a rede 5G até 2027.

Por Redação, com Reuters – de Paris/São Francisco

O ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, disse nesta terça-feira que o governo não vai impedir o grupo chinês Huawei de investir no país, diferente da decisão do Reino Unido, que impediu a gigante de telecomunicações de fornecer equipamentos para a rede 5G até 2027.

Bruno Le Maire, ministro das Finanças francês, Paris, França
Bruno Le Maire, ministro das Finanças francês, Paris, França

Le Maire afirmou à rádio France Info “não vamos impedir a Huawei de investir em 5G, vamos proteger nossos interesses de segurança nacional”. Ele acrescentou que apresentou a posição da França a autoridades chinesas na segunda-feira.

Apesar disso, Le Maire condenou atos da China contra a minoria muçulmana do país, afirmando que são “revoltantes e inaceitáveis”.

Especialistas das Nações Unidas e ativistas afirmam que pelo menos 1 milhão de uigures étnicos e outros muçulmanos estão sendo mantidos em centros de detenção em Xinjiang. A China afirma que eles são centros de treinamento que ajudam a reduzir terrorismo e extremismo e que dão às pessoas novas habilidades.

Apple

A Apple anunciou nesta terça-feira que planeja remover emissões de carbono de todas as suas operações, incluindo cadeia de suprimentos e produtos ao longo da próxima década.

A companhia afirmou que suas operações corporativas globais, como escritórios e centrais de dados, já são neutras em emissões de carbono e que vai ampliar isso para milhares de fornecedores de sua cadeia de produtos.

A Apple afirmou que pretende conseguir atingir 75% da meta por meio de reduções de emissões e o restante virá da remoção de carbono ou de projetos de compensação como plantação de árvores e restauração de habitats.

O esforço vai incluir grandes fornecedores da Apple como a Foxconn.

A Apple afirmou que 74% de suas emissões de carbono são geradas por manufatura de produtos. Para ajudar a cumprir as metas, a empresa vai criar um fundo de US$ 100 milhões para fornecer investimento para projetos de energia limpa dos fornecedores.

O mais recente relatório ambiental da Apple, do ano de 2018, afirma que a pegada de carbono da empresa é de 25,2 milhões de toneladas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *