Instabilidade econômica permanece, segundo relatório sobre setor industrial

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 2 de julho de 2019 as 18:18, por: CdB

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou nesta terça-feira que a produção industrial teve recuo de 0,2% em maio sobre o mês anterior, eliminando parte do ganho de 0,3% registrado em abril.

 

Por Redação, com Reuters – do Rio de Janeiro

 

A produção da indústria brasileira recuou menos do que o esperado em maio mas continuou mostrando instabilidade do setor pressionada por veículos automotores, em um reflexo da morosidade da economia do país.

indústria
Indústria brasileira tem sofrido uma das piores fases de paralisação, ao longo das últimas duas décadas

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou nesta terça-feira que a produção industrial teve recuo de 0,2% em maio sobre o mês anterior, eliminando parte do ganho de 0,3% registrado em abril.

O resultado foi melhor do que a queda de 0,4% esperada em pesquisa da Reuters, mas ainda assim representou o terceiro recuo mensal no ano.

— A perda de força da indústria em 2019 tem a ver com a demanda doméstica, com 13 milhões de desempregados, perdas nas exportações em especial para Argentina, perda de confiança de empresários e consumidores. Ora sobe e ora desce por conta desse dinamismo menor — explicou o gerente da pesquisa, André Macedo.

Perdas

Na comparação com o mesmo período do ano anterior, houve alta de 7,1%, patamar mais elevado desde abril de 2018 (+9,2%) e acima da expectativa de 6,5%, mas um resultado que reflete uma base baixa anterior com a greve dos caminhoneiros em maio do ano passado.

Entre as categorias, houve queda de 1,8% nos Bens de Consumo, com avanços em Bens Intermediários (1,3%) e Bens de Capital (0,5%).

A principal influência negativa entre os 26 ramos pesquisados foi exercida por veículos automotores, reboques e carrocerias, cuja produção recuou 2,4%, devolvendo parte do avanço de 6,4% de abril.

Crescimento

Também apresentaram perdas bebidas (-3,5%), couro, artigos para viagem e calçados (-7,1%), outros produtos químicos (-2,0%), produtos de metal (-2,3%), produtos de minerais não-metálicos (-2,1%) e produtos diversos (-5,8%).

A economia brasileira vem encontrando dificuldades em imprimir um ritmo mais consistente, com as projeções para aumento do Produto Interno Bruto (PIB) sofrendo sucessivos cortes. A pesquisa Focus do Banco Central mais recente mostra que a expectativa é de um crescimento econômico de 0,85% em 2019, com a indústria expandindo 0,71%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *