Ipea revisa, para baixo, a inflação oficial deste ano, em face do vírus

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 19 de junho de 2020 as 15:37, por: CdB

A revisão para baixo foi provocada pela crise econômica motivada pela pandemia do novo coronavírus (covid-19), que gerou impacto deflacionário (de queda de preços) em setores como serviços e comércio de bens de consumo duráveis.

Por Redação – de São Paulo

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revisou, para baixo, a previsão de inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), para 2020. De acordo com seu boletim de conjuntura de junho, divulgado nesta sexta-feira, a expectativa é que a inflação feche 2020 em 1,8%. A previsão fica, assim, 1,1 ponto percentual menor do que a estimativa feita no boletim de conjuntura anterior do Ipea, divulgado em março, na ordem de 2,9%.

Os alimentos tiveram inflação de apenas 0,01%
Os alimentos mantiveram os preços estáveis, segundo pesquisa do IBGE

A revisão para baixo foi provocada pela crise econômica motivada pela pandemia do novo coronavírus (covid-19), que gerou impacto deflacionário (de queda de preços) em setores como serviços e comércio de bens de consumo duráveis.

Com base nos dados oficiais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Ipea constatou que, apesar da alta dos preços dos alimentos de 4,3% no acumulado de janeiro a maio deste ano, a média do IPCA neste período registrou deflação (queda de preços) de 0,16%.

Deflações

“Em contrapartida, as medidas de isolamento social impostas para a contenção da pandemia – e seus efeitos imediatos sobre a contração da demanda por serviços e bens de consumo –, aliadas à forte queda do preço internacional do petróleo, geraram uma expressiva mudança na trajetória dos demais preços da economia”, informou nota de conjuntura.

Para os próximos meses, o Ipea prevê o fim das deflações expressivas dos combustíveis e  reajustes das tarifas de energia elétrica e de medicamentos já programados para o segundo semestre, o que  deve causar aumento dos preços de serviços e produtos administrados. Na outra ponta, é esperada uma redução do ritmo de crescimento do preço dos alimentos, que devem encerrar o ano com inflação de 3%. 

No caso dos serviços livres e dos demais bens de consumo, são estimadas altas de 2,2% e 1%, respectivamente, devido a uma expectativa de retomada moderada da demanda interna, ao lado da existência de capacidade ociosa e ausência de pressão significativa sobre os custos de produção.

Expectativa

A inflação de 2020 pode ser maior do que 1,8%, caso haja pressões adicionais sobre a taxa de câmbio e sobre os preços das commodities.

Para 2021, a expectativa é de retomada do crescimento da economia, o que deve dar maior dinamismo no mercado de trabalho e uma demanda mais aquecida. Assim, espera-se uma inflação maior, de 3,1% para o próximo ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *