Italo Ferreira vence Medina e é campeão mundial de surfe

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Esportes Olímpicos, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 20 de dezembro de 2019 as 12:32, por: CdB

Ítalo Ferreira superou Gabriel Medina e conquistou seu primeiro título mundial de surfe nas ondas grandes, mas imperfeitas, da famosa praia de Pipeline, no Havaí.

Por Redação, com Reuters – de Nova York

Ítalo Ferreira superou Gabriel Medina e conquistou seu primeiro título mundial de surfe nas ondas grandes, mas imperfeitas, da famosa praia de Pipeline, no Havaí, na quinta-feira, consolidado o status do Brasil como favorito ao primeiro ouro olímpico da modalidade nos Jogos de Tóquio 2020.

Surfista brasileiro Ítalo Ferreira
Surfista brasileiro Ítalo Ferreira

Ítalo foi perfeito na escolha e no posicionamento ao surfar as maiores e mais importantes ondas do dia, e conseguiu aumentar as pontuações com manobras aéreas na finalização.

– Esse era meu sonho, sabe, dediquei toda a minha vida a isso – disse ele, emocionado, depois de ser carregado pela praia e banhado em champanhe.

Ítalo dedicou a vitória à avó e a um tio que morreram recenteente.

Cinco surfistas chegaram à última das 11 etapas do Circuito Mundial Masculino de Surfe (WCT) com chances de disputar o título, mas a decisão ficou entre Medina e Ítalo.

Como o WCT também funciona como eliminatória para a competição masculina da Olimpíada de Tóquio 2020, a dobradinha brasileira enviou um recado contundente para os rivais antes da estreia olímpica do surfe.

Tóquio 2020

Ítalo começou bem a disputa final, acumulando duas notas fortes que aumentaram a pressão sobre Medina, bicampeão mundial e um dos melhores na perigosa Pipeline.

Medina voltou à briga pegando um tubo profundo, mas Ítalo ampliou a vantagem e controlou os nervos até a sirene final.

Kelly Slater, de 47 anos, mostrou que ainda é uma ameaça em seu cenário favorito, ele venceu o primeiro de seus sete Pipeline Masters na praia norte de Oahu em 1992.

Visto como o maior surfista de todos os tempos, Slater conseguiu a única nota 10 do evento em uma bateria anterior, pegando um tubo em Backdoor, alter ego menos previsível e igualmente violento à direita de Pipeline.

Mas Slater foi superado por Ítalo nas semifinais e não conseguiu derrotar o havaiano John John Florence na corrida por uma vaga na equipe olímpica dos Estados Unidos.

Se Slater é o rei do esporte, Medina é o mais próximo, intensamente concentrado, hiper competitivo e sem fraquezas. Ele voltou a provar sua força na bateria das oitavas de final com uma manobra polêmica contra outro conterrâneo, Caio Ibelli.

Faltando segundos, Medina entrou na onda de Ibelli sem prioridade e teve seu placar zerado na segunda onda, mas impediu o rival de obter a nota modesta que precisava.

Depois Medina arrasou nas quartas e semifinais, parecendo destinado a um terceiro título, até Ítalo vencê-lo em um encerramento eletrizante.

Veja a classificação provisória para Tóquio 2020:

Ítalo Ferreira (Brasil)

Gabriel Medina (Brasil)

Jordy Smith (África do Sul)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *