Jamanta gigante ‘pede ajuda’ a mergulhador para se livrar de anzol no olho

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Meio Ambiente, Natureza, Últimas Notícias
Publicado domingo, 14 de julho de 2019 as 16:16, por: CdB

Um dos mergulhadores, o fotógrafo subaquático Jake Wilton, disse que mergulha frequentemente na área da costa de Ningaloo e que por várias vezes viu exatamente aquela jamanta.

 

Por Redação, com Sputniknews – de Sydney

 

Na costa noroeste da Austrália, uma jamanta de três metros se aproximou de um grupo de mergulhadores para eles a ajudaram a livrar-se de um anzol espetado no olho, comunicou The Sun.

A arraia, com mais de três metros de tamanho, ficou parada enquanto o mergulhador retirava o anzol que ficou preso em um de seus olhos
A arraia, com mais de três metros de tamanho, ficou parada enquanto o mergulhador retirava o anzol que ficou preso em um de seus olhos

Segundo a edição, um dos mergulhadores, o fotógrafo subaquático Jake Wilton, disse que mergulha frequentemente na área da costa de Ningaloo e que por várias vezes viu exatamente aquela jamanta.

A jamanta, apelidada pelos moradores locais de Freckles (Sardas), se aproximou de Wilton e, segundo ele, expos o olho, em que ele viu um anzol espetado. Jake acredita que a jamanta o teria reconhecido e pensado que ele podia a ajudar.

Ajuda

De acordo com o biólogo marítimo Monty Hall, que naquele momento estava a bordo do barco, a jamanta não se moveu enquanto Wilton mergulhou por várias vezes tentando tirar o anzol.

“A jamanta percebia absolutamente o que estava acontecendo. Jake mergulhava repetidamente, enquanto ela continuava imóvel esperando por ele”, comentou.

Já que o mergulhador tinha a sua disposição apenas uma máscara, a tarefa era bem complicada. Contudo, depois de várias tentativas, Jake conseguiu ajudar a jamanta.

Caso o anzol não tivesse sido tirado, o bicho podia ter ficado infectado, perder o olho ou até mesmo morrer.

Os animais desta espécie podem viver até 50 anos e medir até sete metros. A costa de Ningaloo é um dos melhores locais para observá-los.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *