Johnson & Johnson inicia testes contra coronavírus em humanos

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado quinta-feira, 30 de julho de 2020 as 10:53, por: CdB

A Johnson & Johnson iniciou nesta quinta-feira nos Estados Unidos os testes de segurança de sua vacina contra covid-19 em humanos, depois de divulgar detalhes de um estudo com macacos que mostrou que sua candidata a vacina mais promissora ofereceu uma proteção forte com uma única dose.

Por Redação, com Reuters – de Nova York/Londres

A Johnson & Johnson iniciou nesta quinta-feira nos Estados Unidos os testes de segurança de sua vacina contra covid-19 em humanos, depois de divulgar detalhes de um estudo com macacos que mostrou que sua candidata a vacina mais promissora ofereceu uma proteção forte com uma única dose.

Johnson & Johnson inicia testes de segurança de candidata a vacina contra covid-19 em humanos
Johnson & Johnson inicia testes de segurança de candidata a vacina contra covid-19 em humanos

Quando expostos ao vírus, todos os seis animais que receberam a candidata a vacina ficaram completamente protegidos de doenças pulmonares, e cinco de seis ficaram protegidos de infecções, tal como verificado pela presença do vírus em amostras nasais, de acordo com o estudo publicado pelo periódico científico Nature.

– Isto nos faz acreditar que podemos testar uma vacina de dose única nesta epidemia e aprender se ela tem um efeito protetor em humanos – disse o doutor Paul Stoffels, principal autoridade científica da J&J, à agência inglesa de notícias Reuters em uma entrevista por telefone.

A farmacêutica disse que iniciou testes de estágio inicial em humanos nos EUA e na Bélgica e que testará sua candidata a vacina em mais de mil adultos saudáveis de idades entre 18 e 55 anos, além de adultos de 65 anos e mais velhos.

O desenvolvimento da vacina

O governo norte-americano está auxiliando o desenvolvimento da vacina da J&J com um financiamento de US$ 456 milhões, parte de um desembolso mais amplo que visa acelerar a produção de uma vacina para acabar com a pandemia, que já infectou milhões e matou mais de 660 mil pessoas.

Stoffels disse que testes anteriores deste tipo de vacina contra outras doenças revelaram que uma segunda dose aumenta consideravelmente a proteção, mas, em uma pandemia, uma vacina de dose única tem uma vantagem considerável por evitar muitas questões logísticas relacionadas à obrigatoriedade do retorno dos pacientes para uma segunda dose.

A empresa planeja tratar a questão da dose única ou dupla em seu teste de estágio inicial.

Dependendo destes resultados, a J&J planeja iniciar um teste de estágio avançado de larga escala com um regime de dose única na segunda metade de setembro. Aproximadamente nesta época, a farmacêutica iniciará um teste de estágio avançado paralelo com um regime de dose dupla da vacina, disse Stoffels.

A vacina da J&J usa um vírus de gripe comum conhecido como adenovírus tipo 26, ou Ad26, para transportar proteínas de coronavírus para células do organismo, o que induz uma defesa imunológica contra o vírus.

AstraZeneca

A AstraZeneca disse nesta quinta-feira que está tendo bons resultados de sua vacina contra covid-19, já na fase de testes de larga escala em humanos e vista amplamente como a líder na corrida por uma vacina contra o novo coronavírus.

A farmacêutica, a empresa britânica mais valiosa na bolsa de valores, também anunciou resultados que superaram suas estimativas de venda e lucro para o segundo trimestre graças às vendas intensas de uma linha diversificada de produtos. A companhia registrou lucro principal por ação de US$ 0,96 no segundo trimestre, superando a estimativa de analistas, que era de US$ 0,93 por ação.

– O desenvolvimento da vacina está progredindo bem. Até agora, recebemos bons dados. Precisamos mostrar a eficiência do programa clínico, mas por enquanto tudo vai bem – disse o presidente-executivo da empresa, Pascal Soriot, em uma teleconferência com a mídia.

A AstraZeneca já fechou acordos com países para fabricar mais de dois milhões de doses de sua vacina contra covid-19, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford, e diz que ela pode ser aprovada até o final deste ano.

A candidata a vacina está sendo testada no Brasil em estudo liderado no país pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Nos últimos meses, a empresa se empenhou no desenvolvimento de uma vacina contra covid-19, recebeu bilhões de fundos governamentais, assinou vários acordos de distribuição e até foi tema de uma especulação sobre uma megafusão, tudo isso sem descuidar de seu negócio principal. Ela manteve suas projeções para 2020 nesta quinta-feira.

Ainda não existe nenhuma vacina aprovada para a doença causada pelo novo vírus, mas a da AstraZeneca é considerada por muitos como a principal candidata depois que testes de estágio inicial em humanos mostraram que ela é segura e gerou uma reação imunológica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *