Kafka: O processo onde não importa se existe a culpa

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018 as 15:15, por: CdB

Kafka reproduz a negação do estado democrático de direito e, ao mesmo tempo, leva o leitor a perceber que, mesmo vivendo sob a égide da democracia “plena”, há que se não perder de vista que as instituições não guardam sua razão de ser.

 

Por Maria Fernanda Arruda – do Rio de Janeiro

O romance escrito por Kafka, e que não chegou a ser concluído por ele, conta a história de Josef K., um bancário que é processado sem saber o motivo. A figura de Josef K. é o paradigma do perseguido que desconhece as causas reais de sua perseguição, tendo que se ater apenas às elucidações alegóricas e falaciosas vindas de muitas fontes.

Maria Fernanda Arruda
Maria Fernanda Arruda é colunista do Correio do Brasil, sempre às sextas-feiras

O processo contra Josef K. foi instaurado por sua incapacidade de confessar sua culpa, e, por conseguinte, sua humanidade. O tema, largamente explorado por Kafka em toda sua obra, da não-humanidade torna o livro atual, provocando questionamentos dos costumes e crenças arbitrários da vida, que podem parecer, sob certo aspecto, tão bizarros quanto os acontecimentos da sua.

Serviço público

Tentando encontrar o sentido de uma acusação que não tem conteúdo, o personagem indaga à jovem amiga sobre a convicção de sua inocência: “acredita então que estou inocente?― Bem, inocente… ― disse ela ― não quero pronunciar já uma sentença de tanta responsabilidade; não o conheço; no entanto, para mandarem logo uma comissão de inquérito, deve tratar-se dum criminoso de respeito”.

Kafka reproduz a negação do estado democrático de direito e, ao mesmo tempo, leva o leitor a perceber que, mesmo vivendo sob a égide da democracia “plena”, há que se não perder de vista que as instituições não guardam sua razão de ser na prestação de serviço público, mas na submissão ao poder e às camadas dominantes. 

Estou certa de que Kafka inspira o juiz Sergio Moro.

Maria Fernanda Arruda é escritora e colunista do Correio do Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *