Libertadores: Santos explica casos de coronavírus na Argentina

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado sábado, 9 de janeiro de 2021 as 18:27, por: CdB

O Santos informou que o goleiro John e o zagueiro Wagner Leonardo testaram positivo para o novo coronavírus no exame obrigatório realizado pelo elenco, na última quarta-feira, para que pudessem retornar da Argentina.

Por Redação, com ABr – de Buenos Aires/São Paulo

O Santos informou que o goleiro John e o zagueiro Wagner Leonardo testaram positivo para o novo coronavírus (covid-19) no exame obrigatório realizado pelo elenco, na última quarta-feira, para que pudessem retornar da Argentina. Segundo a nota divulgada pelo Peixe, os resultados só foram divulgados ao clube após o empate sem gols com o Boca Juniors, no mesmo dia, disputado no estádio La Bombonera, na capital Buenos Aires, pela semifinal da Libertadores.

John e Wagner testaram positivo em exame para saída do país vizinho
John e Wagner testaram positivo em exame para saída do país vizinho

Ainda conforme o comunicado alvinegro, “os dois atletas haviam testado negativo no exame feito pelo Hospital Albert Einstein [em São Paulo], exigido pela Conmebol [Confederação Sul-Americana de Futebol] para o embarque a Buenos Aires”.

John e Wagner não puderam retornar ao Brasil com a delegação santista, “uma vez que o Governo da Argentina não libera a viagem de pessoas que testam positivo”, de acordo com a nota. O Santos afirmou que a dupla regressou na sexta-feira (8) à noite, em um avião sanitário. Por conta da contaminação, ambos estão fora do clássico de domingo (10) contra o São Paulo, às 16h (horário de Brasília), no Morumbi, pela Série A do Campeonato Brasileiro, e do jogo de volta contra o Boca, na próxima quarta-feira, às 19h15, na Vila Belmiro.

“O Santos está tranquilo por ter seguido todos os protocolos e está totalmente concentrado e focado nos próximos compromissos contra São Paulo e Boca Juniors”, declarou, em nota, o membro do Comitê de Gestão e responsável pelo futebol alvinegro, José Renato Quaresma.

Protesto

Os casos de covid-19 descobertos após a partida não foram as únicas dores de cabeça do Santos na viagem à Argentina. O Peixe deixou a Bombonera na bronca com o árbitro Roberto Tobar após a não marcação de um pênalti do zagueiro Carlos Izquierdoz no atacante Marinho, aos 29 minutos do segundo tempo.

O lance foi analisado pela arbitragem de vídeo (VAR), que entendeu não ser necessário chamar Tobar para rever as imagens do lance. Em ofício enviado à Conmebol, o clube pediu providências.

– Mais uma vez presenciamos um episódio que não condiz com as recentes melhorias, os investimentos e os pilares de desenvolvimento da Conmebol nos últimos dois anos. Solicitamos que isso não ocorra mais. (Santos e Boca) São dois clubes muito grandes, dois dos maiores times do mundo, e isso só atrapalha o espetáculo. Queremos que as tecnologias sejam bem utilizadas e que todos sejam tratados da mesma forma – afirmou o presidente do Peixe, Andrés Rueda, no documento.

– Já chega! Está acontecendo com muitos clubes e solicitamos que isso não ocorra mais e, principalmente, os atos não fiquem impunes – concluiu o dirigente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *