Manifestantes bloqueiam rodovias contra julgamento de separatistas na Catalunha

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019 as 11:48, por: CdB

Rodovias da Catalunha foram afetadas pelos protestos, informou a polícia, acrescentando que está trabalhando para manter o fluxo do tráfego e dizendo que houve alguns atritos com manifestantes, mas sem relatos de grandes incidentes.

Por Redação, com Reuters – de Madri

Grupos de ativistas catalães queimaram pneus e tentaram bloquear rodovias no norte da Espanha nesta quinta-feira, dia de protestos contra o julgamento de 12 líderes políticos separatistas por sua participação em uma declaração de independência em 2017.

Manifestantes catalães protestam em Barcelona

Onze rodovias da Catalunha foram afetadas pelos protestos, informou a polícia, acrescentando que está trabalhando para manter o fluxo do tráfego e dizendo que houve alguns atritos com manifestantes, mas sem relatos de grandes incidentes.

Membros de grupos locais, reunidos sob o nome Comitês pela Defesa da República (CDRs), realizaram manifestações semelhantes em toda a região desde as prisões, ocorridas na esteira da declaração de independência, considerada ilegal por Madri, no Parlamento catalão.

Os 12 líderes separatistas catalães começaram a ser julgados em Madri na semana passada por causa da iniciativa independentista fracassada, que desencadeou a pior crise política espanhola em décadas.

Nesta quinta-feira os catalães pró-independência planejam entrar em greve, parte dos protestos que incluirão marchas de apoiadores do grupo civil Omnium e da Assembleia Nacional Catalã (ANC) ao meio-dia e uma grande marcha de noite.

A dimensão da greve não ficou clara de imediato, e a polícia disse que grandes estradas foram reabertas depois que obstruções iniciais ao tráfego foram retiradas.

Jordi Sànchez, ex-líder da ANC, e Jordi Cuixart, ex-chefe do Omnium, estarão no tribunal nesta quinta-feira para o julgamento, que deve durar ao menos três meses.

Os réus enfrentam acusações de rebelião, sedição e malversação de fundos públicos, que todos eles negam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *