Marcha neonazista de apoio a Trump é dispersada pela polícia na capital alemã

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 29 de agosto de 2020 as 15:30, por: CdB

Segundo a polícia, a maioria dos participantes descumpriu a regra da distância mínima de 1,5 metros, apesar de reiterados apelos contrários e de o cumprimento dessa exigência ter sido um requisito da Justiça para liberar o protesto.

Por Redação, com DW – de Berlim

A polícia de Berlim ordenou, neste sábado, a dispersão de uma marcha de apoiadores neonazistas do presidente norte-americano Donald Trump, contrários às medidas do governo alemão para impedir a propagação do novo coronavírus, como o distanciamento social e o uso obrigatório de máscaras no rosto. Ao menos dois participantes foram detidos.

Dois jovens exibem cartaz com o símbolo Q, da teoria da conspiração norte-americana Qanon
Dois jovens exibem cartaz com o símbolo Q, da teoria da conspiração norte-americana Qanon

Segundo a polícia, a maioria dos participantes descumpriu a regra da distância mínima de 1,5 metros, apesar de reiterados apelos contrários e de o cumprimento dessa exigência ter sido um requisito da Justiça para liberar o protesto, inicialmente proibido pelas autoridades berlinenses. 

“Não havia outra opção a não ser dispersar a manifestação”, comunicou a polícia pelas redes sociais.

Marcha

Milhares de pessoas haviam se reunido, por volta do meio-dia, para participar da marcha na rua Friedrichstrasse, que pretendia seguir até o Portão de Brandemburgo. Segundo cálculos da polícia, cerca de 18 mil pessoas participam dos protestos deste sábado, na capital alemã.

Uma segunda manifestação começava a se formar nesta tarde, na cidade, na Rua do 17 de Junho, e a polícia já avisou que também essa poderá ser dispersada pelos mesmos motivos. A previsão dos organizadores é que a manifestação ocupe a rua desde o Portão de Brandemburgo até a Coluna da Vitória.

Os protestos foram convocados num momento em que a Alemanha registra um aumento de casos de covid-19, com números bem acima de mil infecções diárias. Isso levou o governo federal e os governos estaduais a imporem novas restrições.

Conspiração

Os manifestantes exibiam cartazes pedindo a renúncia do governo da chanceler federal Angela Merkel e o fim das medidas para conter a pandemia de coronavírus, com dizeres como “Parem com a loucura do corona”, “Fim da ditadura corona”. Alguns manifestantes também portavam símbolos da ultradireita nazista alemã ou da teoria da conspiração Qanon, da extrema direita norte-americana.

As autoridades de Berlim haviam proibido as manifestações na quarta-feira, argumentando que os manifestantes não iriam respeitar as regras de distanciamento. Na madrugada deste sábado, a Justiça alemã liberou os protestos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *