Milan registra prejuízo anual recorde com coronavírus

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 9 de outubro de 2020 as 14:48, por: CdB

A crise do coronavírus empurrou o clube italiano Milan ainda mais para o vermelho no ano fiscal até junho, resultando em um prejuízo recorde de 195 milhões de euros (US$ 230 milhões) para o clube controlado pelo fundo de investimento norte-americano Elliott.

Por Redação, com Reuters – de Milão/Berlim

A crise do coronavírus empurrou o clube italiano Milan ainda mais para o vermelho no ano fiscal até junho, resultando em um prejuízo recorde de 195 milhões de euros (US$ 230 milhões) para o clube controlado pelo fundo de investimento norte-americano Elliott.

A crise do coronavírus empurrou o clube italiano Milan ainda mais para o vermelho
A crise do coronavírus empurrou o clube italiano Milan ainda mais para o vermelho

Como outros times de futebol europeus, o Milan, sete vezes campeão europeu, está sofrendo com a queda nas receitas devido a jogos com portões fechados para conter a disseminação do vírus e descontos em acordos de TV paga solicitados pelas emissoras.

O chefe da liga principal da Itália alertou neste mês que o setor estava à beira do colapso, dizendo que a Série A perdeu mais de 500 milhões de euros em receita devido ao vírus.

O Milan havia reportado um prejuízo de 146 milhões de euros durante o exercício anterior. Excluindo itens pontuais, os resultados financeiros mostraram uma melhora significativa, disse o Milan em uma nota, acrescentando que o clube e seu controlador continuam confiantes de que estão na direção certa para retomar os tempos de glória do clube.

O Milan está empatado em pontos com a Atalanta no topo da Série A, depois de terminar em sexto na temporada passada.

Federação Alemã de Futebol

Promotores e autoridades fiscais da Alemanha vasculharam escritórios da Federação Alemã de Futebol (DFB) e residências de atuais e antigos dirigentes sob suspeita de grave sonegação de impostos, informou a promotoria de Frankfurt na quarta-feira.

De acordo com os promotores, seis dirigentes não identificados da DFB são suspeitos de terem declarado falsamente receitas de publicidade em estádios de futebol durante jogos em casa da seleção nacional em 2014 e 2015 como receita de gestão de ativos, levando a 4,7 milhões de euros em impostos não pagos.

A DFB não paga impostos sobre quaisquer receitas de gestão de ativos, mas é obrigada a fazê-lo sobre os ganhos de atividades comerciais.

Seu presidente, Fritz Keller, que assumiu em 2019, disse que a DFB “apoiará totalmente” a investigação em andamento.

– Sou a favor de lançar luz sobre isso para que o futebol tenha um futuro limpo – disse Keller aos repórteres. “Defendi abertura e transparência, portanto, o apoio do Estado a uma investigação só pode ser bem-vindo.”

Cerca de 200 autoridades foram mobilizadas para as buscas que ocorreram em vários locais em cinco Estados federais.

“Com base nas investigações até agora há a suspeita de que os acusados sabiam da incorreção do imposto, mas o escolheram conscientemente para dar à DFB uma grande vantagem fiscal”, disse a promotoria em nota.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *