Militares dos Estados Unidos afirmam ‘estar prontos para atacar’ Irã, se ordenados

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 12 de agosto de 2019 as 14:13, por: CdB

 Militares dos EUA afirmaram que a missão é impedir que o Irã ataque alvos americanos, mas acrescentaram que também estão prontos para lançar ataques ofensivos se forem ordenados.

Por Redação, com Sputnik – de Washington

Oficiais dos EUA, em serviço no porta-aviões USS Abraham Lincoln e instalados em uma base naval norte-americana em Bahrein, deram entrevista ao canal Sky News.

O USS Abraham Lincoln foi enviado para o Oriente Médio em maio

Militares dos EUA afirmaram que a missão é impedir que o Irã ataque alvos americanos, mas acrescentaram que também estão prontos para lançar ataques ofensivos se forem ordenados.

– Uma grande parte da dissuasão é a prontidão que apoia essa dissuasão. Estamos prontos para defender os EUA e seus interesses se for pedido (…) Meu trabalho é estar aqui, estar pronto, deter e defender se necessário – disse o contra-almirante Michael Boyle, comandante do Carrier Strike Group 12.

O USS Abraham Lincoln foi enviado para o Oriente Médio em maio devido ao que Washington alegou ser um “número de indicações e avisos preocupantes e de escalada” do Irã. O porta-aviões não passou pelo estreito de Ormuz, uma via fluvial estratégica que liga os produtores de petróleo bruto do Oriente Médio a mercados mundiais cruciais.

– Para a nossa missão aqui, que é a dissuasão, estamos no lugar que precisamos estar. As pessoas conhecidas no Irã sabem que somos mais dissuasores aqui do que no golfo Pérsico, porque a partir desta posição podemos alcançá-los e eles não podem chegar até nós. Na analogia de um pugilista, temos um alcance excessivo a partir do ponto onde estamos agora – acrescentou Boyle.

De acordo com Sky News, as aeronaves do porta-aviões deveriam ter atingido vários alvos iranianos em junho, quando Teerã abateu um drone espião dos EUA que teria violado o espaço aéreo iraniano e ignorado os comandos para deixar a área.

Na época, o presidente norte-americano, Donald Trump, voltou atrás de atacar a 10 minutos do lançamento, explicando que a morte de cerca de 150 iranianos seria desproporcional à perda de um veículo aéreo não tripulado.

Planos de Washington

Os Estados Unidos enviaram o grupo de ataque do porta-aviões USS Abraham Lincoln e uma força-tarefa de bombardeiros para o golfo Pérsico em maio, no que o assessor de Segurança Nacional, John Bolton, descreveu como uma mensagem “clara e inequívoca” ao Irã de que qualquer ataque aos interesses norte-americanos ou dos seus aliados seria recebido com “força implacável”.

Além disso, os EUA propuseram a formação de uma coalizão marítima internacional e convidaram vários países europeus, incluindo Alemanha, França e Reino Unido, juntamente com outras nações, como Japão, Coreia do Sul e Austrália, para se juntarem a eles. Embora alguns deles tenham manifestado relutância em participar da iniciativa, Reino Unido aderiu à missão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *