Moderna diz que sua vacina é 94,5% eficaz na prevenção do coronavírus

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado segunda-feira, 16 de novembro de 2020 as 10:24, por: CdB

A Moderna anunciou nesta segunda-feira que sua vacina experimental é 94,5% eficaz na prevenção da covid-19, com base em dados preliminares de um estudo clínico em estágio avançado, tornando-se a segunda empresa dos Estados Unidos em uma semana a relatar resultados de testes com uma vacina que superaram as expectativas.

Por Redação, com Reuters – de Nova York/Londres

A Moderna anunciou nesta segunda-feira que sua vacina experimental é 94,5% eficaz na prevenção da covid-19, com base em dados preliminares de um estudo clínico em estágio avançado, tornando-se a segunda empresa dos Estados Unidos em uma semana a relatar resultados de testes com uma vacina que superaram as expectativas.

Moderna diz que sua vacina é 94,5% eficaz na prevenção da covid-19
Moderna diz que sua vacina é 94,5% eficaz na prevenção da covid-19

Junto com a vacina da Pfizer, que também se mostrou mais de 90% eficaz, e dependendo de mais dados sobre segurança e análise regulatória, os EUA podem ter duas vacinas autorizadas para uso emergencial em dezembro, com até 60 milhões de doses disponíveis até o final do ano.

No ano que vem, o governo norte-americano pode ter acesso a mais de 1 bilhão de doses dos fabricantes de vacina, mais do que o necessário para a população de 330 milhões de pessoas do país.

Desenvolvidas com uma nova tecnologia

As duas vacinas, desenvolvidas com uma nova tecnologia conhecida como RNA mensageiro, ou mRNA, representam poderosas novas ferramentas para combater uma pandemia que infectou 54 milhões de pessoas em todo o mundo e matou 1,3 milhão. A notícia vem em um momento em que os novos casos de covid-19 estão aumentando, atingindo novos recordes nos Estados Unidos e levando países europeus a voltarem a impor lockdowns.

– Vamos fazer uma vacina que pode parar a covid-19 – disse o presidente da Moderna, Stephen Hoge, em entrevista por telefone.

A análise preliminar da Moderna se baseou em 95 infecções registradas entre os participantes do estudo clínico que receberam a candidata a vacina ou um placebo. Deste total, somente cinco infectados receberam a vacina, que é administrada em duas doses com um intervalo de 28 dias entre elas.

J&J inicia teste de candidata a vacina

A Johnson & Johnson iniciou nesta segunda-feira um estudo de estágio avançado de larga escala para testar um tratamento de duas doses de sua vacina contra covid-19 experimental e avaliar possíveis benefícios adicionais durante o período de proteção com uma segunda dose.

A farmacêutica norte-americana planeja recrutar até 30 mil participantes para o estudo e realizá-lo paralelamente a um teste de dose única com até 60 mil voluntários que começou em setembro.

A filial britânica do estudo almeja recrutar até 6 mil participantes, e o resto virá de outros países com alta incidência de casos de covid-19, como Estados Unidos, Bélgica, Colômbia, França, Alemanha, Filipinas, África do Sul e Espanha, disse a empresa.

Eles receberão uma primeira dose ou de um placebo ou da vacina experimental, atualmente chamada Ad26COV2, seguida por uma segunda dose ou placebo 57 dias depois, explicou Saul Faust, professor de imunologia pediátrica e doenças infecciosas que está coliderando o teste no Hospital Universitário de Southampton.

O teste vem na esteira de resultados provisórios positivos do estudo clínico de estágio inicial para intermediário em andamento da empresa, que mostrou que uma dose única de sua candidata a vacina induziu um reação imunológica robusta e foi bem tolerada em geral.

“O estudo avaliará a eficiência da vacina em investigação depois da primeira e da segunda dose para avaliar a proteção contra o vírus e os possíveis benefícios adicionais durante o período de proteção com uma segunda dose”, disse a J&J em um comunicado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *